Altos - PI

Governo vai usar sistema de avaliação de risco na Major César

Segundo o secretário de segurança, Fábio Abreu todos que compõem a Segurança e Justiça do Piauí serão capacitados e a função de cada um será definida.

Davi Fernandes
Teresina
- atualizado

O governador Wellington Dias se reuniu nesta quarta-feira (19) com a equipe de órgãos de segurança do poder Executivo para dar direcionamento a unificação da Segurança Pública estadual por meio do Sistema de Classificação de Risco. Esse sistema está concluído e será aplicado na Colônia Agrícola Major César de Oliveira.

De acordo com a delegada Eugênia Villa, a intenção é ofertar um tratamento específico e personalizado aos que cometem crimes que não sejam de alto risco. “Detentos de riscos diferentes não devem se misturar, como consta na constituição, na lei de execução penal e em todos os protocolos internacionais. Queremos adotar a modelagem não só no sistema prisional, mas nos protocolos de risco, na polícia militar, civil e no sistema de justiça. Nosso trabalho é coordenar essas ações e unir ciência, tecnologia e o caráter humanitário para cumprimento da pena e tratamento do preso provisório”, explicou.

  • Foto: Helio Alef/GP1Secretário Fábio AbreuSecretário Fábio Abreu

Segundo o secretário de segurança, Fábio Abreu todos que compõem a Segurança e Justiça do Piauí serão capacitados e a função de cada um será definida. “Queremos atribuir a pessoa que detida por qualquer motivo uma nota em relação a sua condição, através dessa nota que estaremos destinando essa pessoa para que ela não tenha contato com presos de outros enquadramentos”, informou o secretário.

A próxima etapa é conseguir recursos para a implementação efetiva do Sistema de Classificação de Risco, como explicou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Lindomar Castilho. “É uma iniciativa importante para a segurança pública. Uma pessoa que vive do crime não pode ter contato com uma pessoa que rouba, eventualmente, uma comida ou um utensílio, pois a probabilidade desse detento de baixo risco sair como um profissional do crime é grande. É um modelo que, sem dúvidas, apresentará resultados positivos e diminuirá a criminalidade no futuro”, declarou o coronel.

Com colaboração da repórter Victória Xavier