Saúde

João Doria anuncia maior flexibilização da quarentena em SP

Cinco regiões foram autorizadas a liberar o comércio de rua e de shoppings; Baixada Santista e Grande São Paulo podem reabrir bares e academias.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

O governo de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, 10, o maior afrouxamento à quarentena no Estado desde maio, quando o programa de retomada econômica em meio à pandemia do coronavírus, o Plano São Paulo, foi anunciado. Apenas a regiões de Araçatuba, Campinas, Franca e Ribeirão Preto permanecem com o grau de restrição máxima, em que só o comércio essencial é autorizado a funcionar. Todo o restante do Estado poderá liberar o funcionamento de lojas de rua e shoppings, além de imobiliárias, concessionárias e escritórios, a partir da próxima segunda-feira, dia 13.

Barretos, Presidente Prudente, Bauru, Sorocaba e Marília estavam com liberação apenas dos serviços essenciais, a fase "vermelha", e agora foram reclassificadas para a fase "laranja", em que poderão retomar o comércio de rua, shoppings, concessionárias e imobiliárias. As duas primeiras estavam na fase laranja havia quatro semanas.

Já as regiões de Registro, da Baixada Santista e o parte da Grande São Paulo, que estavam na fase "laranja", entraram na fase "amarela", a mesma em que está a capital, quando bares, restaurantes e academias de ginástica podem voltar a funcionar.

"Todos devem se lembrar que, podendo ficar em casa, devem permanecer em casa", disse o governador João Doria (PSDB), ao anunciar as mudanças, lembrando que a quarentena ainda permanece e, agora, foi renovada até o dia 30 de julho.

Segundo Doria, essa nova fase “marca gradualmente, de forma segura, o retorno à normalidade. uma fase que resgata a esperança.” Ainda de acordo com o governador, “depois de um longo período enfrentando o pico, estamos entrando em um platô” da evolução da doença. “Isso significa atenção redobrada para mantermos o platô.”

Esta é a sexta revisão do Plano São Paulo, que começou a categorizar as diversas regiões do Estado por cores a partir de 1º de junho. Na primeira avaliação, apenas as regiões de Registro, da Baixada Santista e a Grande São Paulo receberam a cor vermelha, enquanto o restante do interior se dividiu entre as fases amarela e laranja.

Após isso, porém, a pandemia se acelerou no interior e o Estado foi sucessivamente fechando mais regiões, a ponto de Sorocaba, Bauru, Marília, Presidente Prudente, Araçatuba, Franca, Ribeirão Preto e Campinas terem sido colocadas na zona vermelha na última avaliação, no dia 3 de julho.

Parques estaduais também serão reabertos

Os parques estaduais localizados na capital, da Água Branca, Villa-Lobos, Candido Portinari, o Parque Estadual do Tietê, o Jardim Botânico, o Zoológico e o ZooSafari também serão reabertos a partir de segunda-feira, conforme disse o secretário estadual de Infraestrutura, Marcos Penido. O anúncio vai ao encontro com anúncio feito nesta quinta, 9, pelo prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que determinou a reabertura dos parques municipais, apenas nos dias úteis.

Os parques estaduais irão funcionar das 10h às 16h, de segunda à sexta-feira. "Terão acesso controlado os parques da Água Branca, Villa-Lobos, Candido Portinari e o parque ecológico do Tietê", disse o secretário. Ainda segundo Penido, o acesso a locais fechados dos parques (como bibliotecas, brinquedotecas e espaços para leitura) ficará fechado.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Ibirapuera e outros 69 parques reabrem em São Paulo na segunda

Restaurantes ficam vazios no primeiro dia de reabertura em São Paulo

Governador João Doria anuncia reabertura gradual do comércio em SP

Mais conteúdo sobre: