Política

Marcos Aurélio diz que é contra corte de verbas para universidades

Para o parlamentar a solução não é menosprezar a educação e sim analisar a viabilidade de um corte não linear.

Na última terça-feira, o ministro Abraham Weintraub disse que cortaria em 30% das verbas das Universidades de Brasília (UNB), Federal da Bahia (UFBA) e Federal Fluminense (UFF), e, mais tarde, também das outras universidades e institutos federais. O deputado Marcos Aurélio (MDB) afirmou que não é a favor do corte das Universidades Públicas e que trabalhará sempre pensando no melhor para população.

Ele enfatiza que o sistema educacional é a base primordial para o desenvolvimento e pesquisa nas Universidades e Institutos Federais. “Menosprezar a educação do país é esquecer que isso repercutirá na evolução da tecnologia, economia e no índice do IDH, como por exemplo. Esse corte, além de gerar uma polêmica que no meu entender é desnecessária, levanta dúvidas sobre o futuro do ensino superior no Brasil. Além de comprometer o futuro do país, se houver esse corte, teremos o rompimento da autonomia universitária no seu aspecto administrativo e financeiro”, afirmou o parlamentar.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Marcos Aurélio SampaioMarcos Aurélio Sampaio

Marcos Aurélio destaca que a o corte na educação trará outras consequências. “Não podemos desconsiderar que os investimentos em Educação no país caíram 56% só nos últimos quatro anos e que esse corte comprometerá o futuro do nosso país, pois a educação é a base de tudo. Consequentemente perderemos recursos para hospitais universitários, que atendem à população mais carente”, pontuou Marcos Aurélio Sampaio.

Para o parlamentar a solução não é menosprezar a educação e sim analisar a viabilidade de um corte não linear. “Vejo a necessidade de corte de gastos públicos, diante do momento econômico que passa o Brasil, mas não podemos comprometer a Educação do país. Não sou a favor de um corte linear para se retirar qualquer recurso das universidades e sim o corte de recursos pontuais, que financiam projetos que não são de interesse público, da sociedade e da comunidade científica”, explicou.

Ele destaca sobre o futuro do país: “aproveito para destacar que se persistir esta política de cortes ficará bem complicado de acreditar que teremos um futuro promissor, visto que a educação é a base de tudo. Eu acompanharei e estarei sempre atento a tudo que também se trata de demanda social, que garanta direitos fundamentais de nossa sociedade”, finalizou o deputado federal Marcos Aurélio.

Mais conteúdo sobre: