Economia e Negócios

Paulo Guedes diz que pode desistir de imposto sobre transações digitais

Ministro da Economia afirmou, em entrevista à CNN, que novo imposto não bancará o Renda Cidadã 'de jeito nenhum' e que não 'existe aumento de imposto'.

Por  Estadão Conteúdo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira, 15, que pode desistir da criação de um novo imposto sobre transações digitais, nos moldes da antiga CPMF. Em entrevista à CNN, ele afirmou que o novo imposto não bancará o Renda Cidadã, programa em estudo para substituir o Bolsa Família, "de jeito nenhum".

"Não tem aumento de imposto, não existe aumento de imposto", afirmou. "A mídia, por exemplo, quer desonerar a folha [de pagamento], não quer? Esse imposto só entraria se fosse pra desonerar. Talvez nem precise, talvez eu desista."

Na quarta-feira, 14, porém, Guedes havia defendido a criação do imposto sobre transações e acusou a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) de ser contra a iniciativa "porque quer beber água onde os bancos bebem".

"Eu acho que os bancos vão acabar usando também. Porque os bancos já cobram uma CPMF hoje. A Febraban é que mais subsidia e paga todos os economistas brasileiros para dar consultoria contra esse imposto, mas a Febraban está fazendo isso porque querem beber água onde os bancos bebem. Os bancos bebem essa água", disse o ministro na quarta, durante o 10º Seminário de Administração Pública e Economia, promovido pelo IDP.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Guedes: estabilidade de futuros servidores vai variar em cada carreira

Ao lado de Guedes, Maia defende acabar com incentivos tributários

Bolsonaro diz que Brasil evitou o pior na economia graças a Paulo Guedes

Paulo Guedes desconversa sobre fatiamento de ministério: 'conversa fiada'

Mais conteúdo sobre: