Piauí

PP quer que STF obrigue Piauí a usar precatório somente na educação

O partido Progressistas ingressou com Ação Direta de Inconstitucionalidade junto ao STF, pedindo que o Governo do Piauí seja obrigado a investir o precatório do Fundef exclusivamente no ensino básico.

Thais Guimarães
Teresina
- atualizado

O partido Progressistas ingressou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (14), pedindo que o Governo do Estado do Piauí seja obrigado a investir o montante referente ao precatório do Fundo de Desenvolvimento da Educação Fundamental (FUNDEF) exclusivamente na educação básica, ficando assim proibido de aplicar o dinheiro em outros setores.

O Progressistas, que tem como presidente nacional o senador Ciro Nogueira, alegou, com base na legislação que criou o FUNDEF e depois o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB), que os recursos devem ser usados exclusivamente na educação básica, incluindo a melhor remuneração dos professores.

Segundo a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), não existe amparo legal ou jurídico para permitir que o Governo do Piauí use recursos exclusivos da educação no combate à pandemia da covid-19, assistência social ou geração de emprego e renda. O partido argumenta que as decisões sobre a aplicação de recursos em outras áreas não podem ser tomadas à custa de prejuízos para a educação.

Não bastasse a base legal que vincula verbas do FUNDEF/FUNDEB exclusivamente à aplicação no ensino básico, a ação do Progressistas menciona uma série de decisões legais de tribunais superiores e do Tribunal de Contas da União que ratificam a exclusividade da aplicação de recurso do fundo exclusivamente em educação.

Na ação, o partido ressalta que “em que pese o panorama de crise fiscal apresentado pelo Estado do Piauí e por todo país, é importante vislumbrar outras alternativas fiscais para serem utilizadas no combate ao coronavírus, que não as verbas do FUNDEB cuja aplicação estabelecida em lei é voltada exclusivamente para financiar a educação básica brasileira”.

Além de solicitar que o Governo seja obrigado a investir os recursos em educação básica, o Progressistas está pedindo ao STF que suspenda imediatamente o pagamento de R$ 72 milhões à Fundação Getúlio Vargas (FGV), com recursos do FUNDEF/FUNDEB.

O Piauí receberá o montante de R$ 1,6 bilhão, como pagamento de precatório (dívida judicial) pelo Governo Federal, resultante de diferenças não pagas do antigo Fundo de Desenvolvimento da Educação Fundamental (FUNDEF).

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Wellington Dias anuncia onde será investido R$ 1,6 bilhão do Fundef

MPF quer uso de precatório do Fundef no Piauí exclusivo para Educação