GP1

Teresina - Piauí

População de Teresina completa já 45 dias sem transporte público

De acordo com o Sintetro, os funcionários reivindicam a proposta de empresários que visa retirar alguns direitos dos cobradores e motoristas, como suspensão do ticket alimentação e do plano d

A população da cidade de Teresina já está há mais de 40 dias sem o serviço de transporte público municipal desde que os motoristas e cobradores resolveram cruzar os braços, no último dia 15 de maio deste ano, após uma falta de acordo entre trabalhadores e o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Teresina (Setut). Ao todo, já são 300 demissões realizadas devido a queda no número de passageiros, por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O desacordo entre o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários no Estado do Piauí (Sintetro) e o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) chegou até o Ministério Público do Trabalho no Piauí, que por meio do procurador João Batista Machado Júnior, realizou uma audiência nessa segunda-feira (29) e uma proposta deverá ser entregue até nesta quarta-feira (1º).

  • Foto: Lucas Dias/GP1João Batista , Procurador do trabalho João Batista , Procurador do trabalho

Reivindicações e demissões

De acordo com o Sintetro, os funcionários reivindicam a proposta de empresários que visa retirar alguns direitos dos cobradores e motoristas, como suspensão do ticket alimentação e do plano de saúde durante a pandemia.

O Sintetro afirmou ainda que mais de 300 trabalhadores da categoria já foram demitidos. O sindicato afirma que estão realizando doações entre eles para distribuir cestas básicas aos demitidos, que se encontram sem recursos para alimentação.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Terminal vazioTerminal vazio

Setut

Por meio de nota, o Setut alegou que está analisando as possíveis propostas apresentadas para que o sistema de transporte público seja normalizado em Teresina.

Confira a nota na íntegra

A mediação quanto à greve está sendo coordenada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), através do Procurador João Batista Machado, que apresentou proposta na tarde desta segunda-feira, dia 29, para o sindicato laboral e patronal. O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) está avaliando a consistente proposição para poder restabelecer os serviços aos cidadãos teresinenses.

Strans

Já a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) informou que segue acompanhando as negociações e a possibilidade de que o Setut e Sintetro retornem na próxima segunda-feira (06) com 70% da frota.

Confira a nota na íntegra

A Strans informa que segue acompanhando as negociações entre patrões e empregados. Na reunião, o Ministério Público do Trabalho propôs ao Sintetro e Setut retomarem as atividades até a próxima segunda-feira (06), com 70% da frota que estava circulando antes da greve em horários de pico e 30% em horários de pico, com menos circulação de passageiros. Até que se chegue a um acordo para o término da paralisação.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Motoristas de ônibus estão em greve há quase 25 dias em Teresina

Após 300 demissões, motoristas e cobradores de ônibus protestam em Teresina

Greve dos motoristas de ônibus inicia nesta sexta-feira em Teresina

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.