GP1

Teresina - Piauí

Wellington Dias rebate Ciro: "eleição não é questão de vida ou morte"

“Da nossa parte queremos fazer jogo limpo, democrático, sem ataques e com respeito", disse o governador.

Nesse final de semana, durante caravana da oposição pelo interior do Piauí, o ministro-chefe da Casa Civil Ciro Nogueira (Progressistas), voltou a fazer críticas ao governador Wellington Dias (PT-PI) e ao secretário de Estado da Fazenda, Rafael Fonteles (PT), cotado para concorrer ao Palácio de Karnak em 2022.

Ao ser questionado sobre as declarações de Ciro, o chefe do executivo piauiense reagiu e avisou ao ministro que do lado do Governo não existe desespero. Ainda de acordo com Dias, o processo político/eleitoral não se trata de uma questão de vida ou morte.

Foto: Lucas Dias/GP1Wellington Dias
Wellington Dias

“Da nossa parte queremos fazer um jogo limpo, democrático, sem ataques e com muito respeito. Eleição não é uma questão de vida ou morte, na verdade, é uma disputa de quem vai gerenciar o Estado. É assim que encaramos a política. Aqui do nosso lado, nada de desespero”, revidou Wellington Dias em entrevista ao GP1 nessa segunda-feira (06).

Wellington Dias seguiu respondendo aos ataques do adversário político e afirmou que do seu lado as respostas as críticas se dão por meio do trabalho que vem sendo feito na administração do Estado.

“Quem é governo, e agora ele [Ciro], é governo também, tem que mostrar resultado. Da nossa parte todo empenho para cumprir nosso trabalho. De um lado há reconhecimento do povo, do que fizemos no passado. Por isso, o ex-presidente Lula é muito lembrado, querido, um reconhecimento do trabalho. Essa integração, as pessoas percebem como o fortalecimento para o Piauí. Estou animado, pois temos um time entusiasmado, animado e vamos seguir trabalhando”, disse o governador.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.