GP1

Teresina - Piauí

Marcada audiência de PM acusado de matar a ex-esposa em Teresina

A audiência foi marcada pela juíza Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal Popular do Júri.

Está marcada para esta quinta-feira (26), às 8h30, audiência de instrução e julgamento do tenente aposentado da Polícia Militar do Piauí, Pedro José de Oliveira, acusado de assassinar a ex-esposa, Marilena Pereira da Rocha Oliveira, no dia 26 de janeiro deste ano em Teresina.

A audiência foi marcada pela juíza Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, e vai acontecer, de forma mista (presencial e videoconferência) na sala das audiências do Fórum Cível e Criminal Desembargador Joaquim de Souza Neto.

As testemunhas arroladas pelas partes deverão comparecer fisicamente à sala das audiências da 2ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, assim como também o acusado, caso a unidade prisional onde se encontra recolhido, não disponha de acesso à sala virtual de realização da audiência.

O crime

Marilena Pereira foi alvejada com três tiros em via pública no dia 26 de janeiro de 2022. Ela andava em uma bicicleta no bairro Mocambinho, zona norte de Teresina, quando foi surpreendida pelos disparos. A vítima chegou a passar três dias no Hospital de Urgência de Teresina (HUT), mas acabou não resistindo.

“No dia, hora e local do crime, a vítima estava se dirigindo de bicicleta para o local de sua fisioterapia, quando foi encurralada pelo acusado no seu carro, um automóvel do modelo Eco Sport, cor branca, de placa PIA-3649. O acusado, então, saiu do carro com uma arma de fogo em mãos apontada para a cabeça da vítima e realizou três disparos contra ela, conforme relato da testemunha ocular”, narra a ação do Ministério Público.

Diante dos fatos, o promotor Régis Marinho ofereceu denúncia contra Pedro José de Oliveira por homicídio qualificado com as seguintes qualificadoras: feminicídio, motivo fútil, perigo comum, emboscada e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Ele também pediu que fosse mantida a prisão preventiva do acusado, que se encontra recluso no presídio militar da PM-PI.

Além disso, o promotor pediu que o policial militar aposentado seja condenado a pagar indenização em favor da família da vítima.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.