GP1

Piauí

Piauí tem a 7ª maior perda de qualidade de vida do Brasil, diz IBGE

Entre os índices, o IBGE apontou que a pior qualidade de vida se encontra no estado do Maranhão.

Os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF – realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE – apontou que o Piauí teve a sétima maior perda de qualidade de vida entre os estados brasileiros.

Segundo o IBGE, para chegar ao resultado foi necessário elaborar o Índice de Perda de Qualidade de Vida (IPQV). O cálculo é baseado em uma análise conjunta sobre temas relacionados às condições de vida dos brasileiros. O resultado do indicador varia entre zero e um, sendo que, quanto mais próximo de zero, menos perdas. Esse trabalho apontou que o Piauí possui o sétimo maior IPQV do país: 0,213.

Foto: Marcelo Cardoso/GP1Movimentação de pessoas no local
Movimentação de pessoas no local

Para o Brasil como um todo, o índice é de 0,158, ou seja, a população piauiense tem uma qualidade de vida inferior à média brasileira. O melhor IPQV é do estado de Santa Catarina, que obteve o valor de 0,100.

Por sua vez o estado com o pior indicador de perda de qualidade de vida da população é o do Maranhão, cujo IPQV é de 0,260. Os estados com indicadores de perda de qualidade de vida maior que o Piauí, além do Maranhão, são: Pará (0,244), Acre (0,238), Amapá (0,224), Alagoas (0,218) e Amazonas (0,216).

Informações monetárias, não monetárias e avaliações subjetivas foram utilizadas, de forma integrada, para elaborar o índice. Nove temas foram considerados: renda, moradia, acesso a serviços de utilidade pública, saúde, educação, acesso aos serviços financeiros e padrão de vida, alimentação, transporte e lazer e viagem. Para possibilitar comparações adequadas, também foram inclusos na análise fatores individuais e sociais específicos que afetam a conversão da renda em qualidade de vida.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.