GP1

Piauí

FIEPI divulga Sondagem Industrial do mês de março

A pesquisa foi aplicada no mês de abril com dados referentes ao mês março de 2021.

A Federação das Indústrias do Estado do Piauí (FIEPI) divulgou o resultado da Sondagem Industrial feita em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa foi aplicada no mês de abril com dados referentes ao mês março de 2021.

Apesar das severas medidas restritivas do Governo do Estado para conter a segunda onda da propagação da Covid-19, os números de março de 2021 mostram que alguns cenários tiveram comportamentos mais otimistas em comparação ao da região Nordeste.

Em março, o volume de produção das indústrias em relação ao mês anterior teve sua estabilidade medida em 51% no Piauí, percentual superior ao do mês de fevereiro que foi de 41,8% e superior também ao do Nordeste, com 43,8%.

O nível de utilização da capacidade instalada em relação ao usual (UCI) no mês de março foi 51% igual ao usual, mantendo-se novamente superior ao do Nordeste, medido em 46,8%.

O indicador da evolução do número de empregados apresentou em março um percentual de estabilidade de 61,2% no Piauí, índice inferior a fevereiro que teve estabilidade de 72,7% no número de empregados. Este índice no Nordeste ficou em 69,2% em março. No critério de aumento no número de empregados o percentual em março foi de 4,1% no Estado e no Nordeste de 8,5%.

Apesar desses baixos percentuais, foram superiores em relação ao mês de fevereiro/2021 (1,8% para o Piauí e 7,8% para o Nordeste). Analisando-se a queda no número de empregados, o Estado registrou em março percentual de 34,7%, índice maior que o da região nordeste, que foi de 19,9%.

O estoque de produtos finais da empresa em relação ao planejado/desejado foi 24,5% igual ao planejado no mês de março. Este índice no Nordeste foi de 40,8% no mesmo período. A diferença Piauí e Nordeste neste indicador foi de mais de 16 pontos percentuais, a maior registrada no ano de 2021 (em janeiro esta diferença foi de 4,4% e em fevereiro de 0,2%). Este dado revela que neste mês as empresas reduziram bastante seus níveis de estoque.

Perspectivas para os próximos seis meses

As perspectivas para os próximos 6 meses de aumento da demanda por produtos apresentou percentual de 30,6% em março, índice inferior ao da região Nordeste, que foi de 34,6%.

O indicador de expectativa de aumento no número de empregados foi o mais baixo desde janeiro/2021, apresentando índice de 4,1% em março (19,% em janeiro e 14,5% em fevereiro). O cenário é mais otimista no Nordeste, que teve 17,2% de perspectiva de aumento no número de empregados. Este dado sinalizou que a indústria local está cautelosa quanto a geração de novos empregos.

A expectativa de aumento nas compras de matéria-prima para os próximos 6 meses passou de 23,6% em fevereiro para 32,7% em março, próximo ao regional, que foi de 30,3%.

Para os próximos 6 meses a intenção de investimentos das indústrias que responderam “sim, provavelmente” mostra uma certa retração quanto a novos investimentos. O percentual das empresas que tem alguma intenção de investir vem caindo mês a mês: se em janeiro era 37,2%, fevereiro passou para 29,1%, fechando em março com 28,6%. Nesses meses, a região Nordeste tem se mostrado mais otimista quanto a essa intenção de investir (janeiro com 42,6%, fevereiro com 40% e março com 39,1%).

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.