GP1

Política

Rejane Dias propõe uso obrigatório de máscara em aviões até 2022

Caso aprovado o PL, será proibido o consumo de alimentos a bordo, com exceção de justificativa plausível.

A deputada federal Rejane Dias (PT) apresentou um Projeto de Lei na Câmara dos Deputados que torna obrigatório o uso de máscara de proteção facial em terminal aeroportuário de passageiros e a bordo de aeronave.

Conforme o PL apresentado, a obrigatoriedade será vigente até 31 de dezembro de 2022 ou enquanto durar as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de enfrentamento da covid-19.

Foto: Lucas Dias/GP1Rejane Dias
Rejane Dias

O projeto diz ainda que as máscaras devem ser de uso profissional ou com três camadas de proteção, devendo ser trocadas a cada três horas. Caso aprovado o PL, será proibido o consumo de alimentos a bordo, com exceção de justificativa plausível ou que envolva saúde do viajante.

“A qualidade do ar em ambientes fechados — sua circulação, o quanto ele permite ou não a dispersão ou a eliminação de patógenos — pode ser a diferença entre a preservação da saúde e o adoecimento. Entre os ambientes internos, repetidamente reconhecidos como locais vulneráveis a infecções (bares, restaurantes, lojas, casas de repouso e navios de cruzeiro), as cabines de avião destacam-se como fonte de constante ansiedade”, afirmou Rejane.

“Conclui-se, dessa maneira, que o uso das máscaras é essencial. Ao tossir, espirrar ou simplesmente falar, gotículas de saliva são expelidas por nossas bocas. A gravidade faz com que as maiores caiam rapidamente no chão (ou em qualquer superfície próxima), mas as menores podem ficar suspensas no ar por algum tempo. Usar máscara o tempo todo em um avião retém na própria pessoa um pouco dessa saliva passível de ficar suspensa no ar — e qualquer vírus contido nela”, justificou Rejane.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.