GP1

Lagarto - Sergipe

Jogador Diego Costa é alvo de Operação da Polícia Federal

O jogador, segundo a PF, é investigado por suspeita de financiar uma organização criminosa.

O universo do esporte foi agitado nesta quinta-feira (30) pela "Operação Distração" que tem como um dos alvos de investigação o jogador Diego Costa, do Atlético-MG. A Operação da Polícia Federal foi deflagrada para apurar denúncias de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, exploração de jogos de azar e organização criminosa através de um site de apostas.

A PF investiga o jogador do Atlético-MG por ser suspeito de financiar o esquema criminoso. A casa de Diego Costa na cidade de Lagarto, localizada no Sergipe, foi um dos sete locais que a polícia executou mandados de busca e apreensão.

Essa operação é, na verdade, um desdobramento, pois a primeira fase da operação foi deflagrada em março deste ano, quando foram apreendidos equipamentos eletrônicos e uma quantia de R$ 13 milhões em espécie.

Já nesta fase, a investigação está concentrada no processo de evasão de divisas, com foco nos doleiros e no financiador do site de apostas. Diego Costa, atualmente, se recupera de uma lesão muscular na região da coxa esquerda o que, inclusive, deixou o jogador de fora da partida de volta da semifinal da Libertadores contra o Palmeiras.

Confira a nota da Polícia Federal na íntegra

“A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 30/9, a segunda fase da Operação DISTRAÇÃO, com o objetivo de obter provas para investigação que apura suposta prática de exploração de jogos de azar, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa envolvendo um site de apostas, seus proprietários, operadores financeiros e financiador.

Estão sendo cumpridos 7 mandados de busca e apreensão: 2 em Itabaiana/SE, 1 em Lagarto/SE, 2 em Simão Dias/SE, 1 em Salvador/BA e 1 em São Paulo/SP. Os mandados foram expedidos pelo Juízo da 6ª Vara Federal de Itabaiana/SE. Também estão sendo cumpridos mandados de sequestro de bens pertencentes aos envolvidos no esquema criminoso.

Na primeira fase da operação, deflagrada em 3/3/2021, foram apreendidos documentos e equipamentos eletrônicos que permitiram o aprofundamento da investigação e a quantia de mais de R$ 13 milhões em espécie.

Com base nas provas coletadas, foi possível identificar outras plataformas de aposta utilizadas pelo grupo e empresas físicas e pessoas jurídicas utilizadas para lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Além disso, foi constatada a participação de doleiros, que auxiliam a organização criminosa no processo de evasão de divisas, bem como a participação de um jogador de futebol que, supostamente, é o financiador do esquema criminoso.

Nesta fase, a investigação está concentrada no processo de evasão de divisas, com foco nos doleiros e no financiador do site de apostas".

*Com informações da repórter Mikaela Ramos.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.