Blog Opinião
GP1

Petrônio Portela - depoimentos à História Política Brasileira

Artigo do desembargador Edvaldo Pereira de Moura, que é diretor da ESMEPI e professor da UESPI.

Foto: Lucas Dias/GP1Desembargador Edvaldo Moura
Desembargador Edvaldo Moura

Desembargador Edvaldo Pereira de Moura,

Diretor da Escola Superior da Magistratura do Piauí (Esmepi) e professor da UESPI

Foi com orgulho inocultável e imensa alegria que participei do lançamento, na Academia Piauiense de Letras, da importante obra - Petrônio Portela, Depoimentos à História Política Brasileira - da inspirada lavra do meu cunhado e notável Historiador, Osvaldo Lemos de Oliveira, que sempre honrou e dignificou o mundo intelectual do Piauí, a que vem servindo, há mais de cinquenta anos, ao lado de emblemáticos imortais, como Herculano de Moraes, Hardi Filho e Francisco Miguel de Moura, meu parente e amigo, dentre outros.

Além de intelectual, conhecido e respeitado, o autor da obra trabalhou como jornalista do Jornal do Brasil, de que foi revisor, prestando seus assinalados serviços ao Professor Pedro Calmon, um dos juristas e escritores mais prestigiados do país.

O supracitado livro foi publicado em concorrida solenidade, concebida e realizada pela dinâmica Academia Piauiense de Letras, em uma manhã ensolarada, como parte da “Coleção Centenária”, idealizada pelo advogado Nelson Nery Costa, então Presidente daquele sodalício. Na oportunidade, tive o privilégio de fazer uso da palavra, através de uma manifestação sucinta e objetiva, apenas para mostrar a importância de que se reveste a obra e sobre o seu notável e valoroso autor.

O livro lançado recebeu o número 82, no conjunto de 100 obras escolhidas para fazerem parte da Coleção Centenária, com que a Academia Piauiense de Letras, sob o lúcido, firme e competente pulso do seu Presidente, comemorava o primeiro Centenário de sua fundação, com uma extensa atividade, digna dos mais merecidos encômios.

Petrônio Portela, Depoimentos à História Política Brasileira, alcançou naquele dia, a sua terceira edição, já aumentada e definitiva. Ela, desde a sua segunda edição, também feita a partir de um acordo entre a Casa de Lucídio Freitas e o Senado Federal, teve o prefácio elaborado pelo ínclito político Lucídio Portela, irmão do homenageado.

Trata-se de uma coletânea rica em colaborações muitos sensatas e altamente qualificadas, a respeito da figura desse político piauiense, filho de Valença, neste Estado, que foi Petrônio Portela Nunes, induvidosamente, um dos mais eminentes estadistas brasileiros e um dos mais completos políticos do Século XX. São trinta e sete depoimentos prestados por políticos, jornalistas, profissionais liberais que se impuseram ao respeito e à admiração da intelectualidade do Brasil.

Na primeira parte do livro, denominada - Escritos Especiais de Petrônio Portela - estão transcritas diversas apresentações de obras editadas por Petrônio Portela e pelo Senado Federal, que receberam os mais expressivos e merecidos elogios de intelectuais de seu tempo, como José Honório Rodrigues, Golbery do Couto e Silva, Barbosa Lima Sobrinho, Raimundo Faoro, Pedro Calmon e Luís Viana Filho.

Por oportuno, registro que duas substanciosas e aplaudidas dissertações de mestrado, defendidas nas conhecidas Universidades de São Paulo e Rio de Janeiro, citam este livro em suas referências bibliográficas.

Por fim, cabe-me agradecer a generosidade de todos os valorosos imortais piauienses, por terem incluído o referenciado livro em tão extraordinária Coleção de obras editadas para marcarem os 100 Anos de intensa atuação lítero-cultural da arrojada Academia Piauiense de Letras, hoje dirigida pelo jornalista amigo, Zózimo Tavares, felicitando, também, nesta manhã de sol abrasador, a todos os autores, que ofereceram à crítica literária, o ensejo de ler e se deleitar com as suas valiosas produções.

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.