Prisão de Lula reafirma coerência e gratidão de Wellington Dias

- atualizado

Antes de ontem (07), durante ato religioso e político em São Bernardo do Campo (SP), na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, momentos antes da prisão de Lula, onde, respectivamente, se lembrava o aniversário de nascimento da ex-primeira-dama dona Marisa Letícia, com missa em ação de graças, bem como se protestava acerca da polêmica e controvertida prisão de Luiz Inácio Lula da Silva, se comprovou mais uma vez a coerência, gratidão e respeito do governador do Piauí, José Wellington Barroso de Araújo Dias (PT) para com o ex-presidente do Brasil.

  • Foto: Instagram/Governador Wellington DiasGovernador Wellington Dias e ex-presidente LulaGovernador Wellington Dias representa maioria do povo do Piauí ao defender o ex-presidente Lula

Wellington Dias era o único governador de estado presente àquele ato histórico, sobretudo, em homenagem aquele que é, indiscutivelmente o maior líder popular que já ocupou a Presidência da República brasileira, que, aliás, continua sendo, não obstante o desejo exacerbado da grande mídia nacional, especialmente a Rede Globo, e segmentos da elite reacionária em aniquilá-lo politicamente, fato que é público e notório, exceto para os de visão míope ou para os intolerantes.

O único político que, acusado de corrupção é inegavelmente condenado em tempo recorde. Nunca antes visto na história do judiciário deste País tanta celeridade processual para julgar um cidadão.

Mas, o que aqui faço questão de registrar é o fato de que a gratidão e a coerência do governador Welington Dias para com o ex-presidente Lula é irretocável, e, principalmente característica de poucos na política, inclusive, na do Piauí, pois, lembro muito bem em certa ocasião, eu como líder do PT na Câmara Municipal de Teresina, fui um dos convidados a jantar com o presidente Lula na residência oficial do governador do Estado, e, lá presenciei inúmeros “gravatinhas” (como bem disse Lula em São Bernardo do Campo nesse sábado), que hoje repudiam o ex-presidente ou se escondem silenciosamente com receio do povo lembrar de suas máscaras.

Até então, enalteciam-no até mesmo além do necessário, obviamente porque eles (os gravatinhas) se posicionavam como urubus na carniça em busca das benesses governamentais oriundas do governo central em Brasília.

E, não venham agora aqueles outrora aliados de Lula, dizer que seria pelo fato de não haver nenhuma denúncia contra figuras nacionais do PT, por que ali já se sabia da denúncia do “mensalão” envolvendo o ex-ministro José Dirceu.

O que ocorre é a prática descarada e medíocre da maioria dos políticos, de, sempre se locupletarem oportunisticamente sem nenhuma preocupação ou diferenciação da ideologia de quem estar no poder, ou, tampouco da ética e da moralidade, isso pouco ou nada importa; o que importa é realmente se locupletar no momento que mais lhes interessam.

Para fazer justiça ou ao menos ser verdadeiro, não vi naquela ocasião, políticos como Mão Santa, Heráclito Fortes, Hugo Napoleão ou Dr. Pessoa, que, nem sempre com razão, mas se comportam em desfavor dos governos petistas.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Heráclito FortesHeráclito Fortes

Quantos daqueles aliados de Lula, do PT, de Welington estavam ontem no ABC paulista? Qual o tipo de solidariedade prestada a Lula, em face de sua controvertida prisão? Sabe por que eles não apareceram? Porque o PT não está mais sob o teto do Palácio do Planalto com suas portas e janelas escancaradas aos “gravatinhas”.

Esta é a minha opinião, salvo melhor juízo.

Mais conteúdo sobre:
Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Especialista em Direito Público, Penal e Constitucional. Advogado licenciado. Comunicação Social no CEUT. Foi vereador de Teresina, presidente e diretor jurídico do SINPOLJUSPI e da COBRAPOL. Agente e Conselheiro Penitenciário. Atualmente é diretor e professor da ACADEPEN. Ministra disciplinas de Dir. Administrativo e Execução Penal na pós-graduação em Gestão Prisional da UESPI/SEJUS.