GP1

Coronavírus no Piauí

Mais de 77% das pessoas mortas por covid-19 no Piauí eram idosos

Já o maior número de casos confirmados se concentra entre pessoas mais jovens, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí.

Desde o início da pandemia da covid-19, o grande alerta das autoridades e especialistas em saúde tem sido em relação a pessoas que integram o grupo de risco, ou seja, aquelas que têm idade avançada ou que possuem alguma comorbidade (doenças que, associadas ao vírus, podem ser letais). No Piauí, a preocupação dos órgãos de saúde se comprova nos dados registrados pela Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi): de acordo com o painel epidemiológico atualizado na noite desta quarta-feira (13), mais de 70% dos piauienses que já morreram por conta do novo coronavírus tinham 60 anos de idade ou mais.

Conforme os dados da Sesapi, das 2.930 das pessoas que morreram de covid-19 no Piauí desde o início da pandemia, 77,69% tinham 60 anos ou mais. Deste número, 18,69% tinham entre 60 e 69 anos, 26,51% tinham entre 70 a 79 anos, e 32,49% possuíam 80 anos de idade ou mais.

Foto: Divulgação/SesapiDados da Sesapi
Dados da Sesapi

Já o maior número de casos confirmados se concentra entre pessoas mais jovens. De acordo com a Sesapi, dos 149.686 piauienses que já contraíram covid-19, 55,22% tinham idade de até 39 anos.

Comorbidades

Pessoas com comorbidades também correspondem ao maior número de óbitos registrados no Piauí. O painel epidemiológico da Sesapi aponta que 93,86% das vítimas do coronavírus no estado já sofriam com alguma doença. Isso quer dizer que somente 6,14% dos piauienses que morreram eram considerados saudáveis.

A cardiopatia incluindo hipertensão é o grupo que compreende a maioria das vítimas: 45,62% das pessoas que perderam a vida para a covid-19 no Piauí sofriam desse problema de saúde.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.