GP1

Economia e Negócios

Petrobras questiona Governo Federal sobre venda de ações

Decisão da petroleira também vem na esteira de falas recentes de Bolsonaro e do ministro da Economia.
Por Estadão Conteúdo

A Petrobras comunicou na noite desta segunda-feira, 25, que indagou o governo federal, seu acionista controlador, por meio do Ministério da Economia, sobre a existência ou não de estudos sobre possível venda de ações da companhia ou de qualquer outro fato relevante que deva ser divulgado ao mercado.

Mais cedo, O Globo e a CNN informaram que a Economia estuda a possibilidade de, por meio de um projeto de lei, abrir mão de ações ordinárias e ações preferenciais que a União tem da Petrobras. O volume de venda seria o necessário para que fizesse com que a União deixasse de ser a acionista majoritária da estatal. Mesmo sem a maioria das ações, o governo manteria a golden share, ou seja, a prerrogativa de indicar o presidente da estatal e vetar operações das quais discorde.

Em entrevista à rádio Caçula FM, do Mato Grosso do Sul, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que já chegou a colocar a equipe econômica para estudar o assunto, mas destacou as dificuldades em lidar com o tema: "Não é colocar na prateleira e quem dá mais leva embora.”

Na avaliação de Bolsonaro, privatizar a empresa não dá a garantia de que ela vai crescer. De acordo com o presidente, tirar o monopólio do combustível do Estado abre a possibilidade de os problemas com os combustíveis ficarem na mesma coisa “ou talvez pior”.

O tema também foi abordado em evento hoje pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que defendeu a privatização da estatal, como uma forma de extrair mais rápido o petróleo e gás natural brasileiros.

"Se estamos com crise hídrica e tivemos escândalo de corrupção, são 30 a 40 anos de monopólio no setor elétrico e no setor de petróleo. E, se daqui a 10 ou 20 anos, o mundo inteiro migra para hidrogênio e energia nuclear, abandonando o combustível fóssil. A Petrobras vai valer zero daqui a 30 anos. E deixamos o petróleo lá embaixo com uma placa de monopólio estatal em cima", ironizou o ministro.

Ele destacou que as ações da Petrobras subiram 6% após Bolsonaro dizer que iria estudar meios para privatizar a empresa. "Em mais duas ou três semanas, são R$ 15 bilhões criados. Isso não existia, não é tirar do povo", completou.

As falas vêm na esteira de um novo aumento nos preços dos combustíveis. Hoje, a Petrobrás anunciou um reajuste de 9,2% no preço do óleo diesel e de 7% no da gasolina a partir desta terça. O preço médio de venda da gasolina A da Petrobras, para as distribuidoras, passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro. Já para o diesel, o preço médio de venda da Petrobras, para as distribuidoras, passará de R$ 3,06 para R$ 3,34 por litro.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.