GP1

Economia e Negócios

Petrobras vai anunciar novo reajuste daqui a uns 20 dias, diz Bolsonaro

Na Itália, o presidente do Brasil disse que a semana será de 'jogo pesado' em relação à estatal.
Por Estadão Conteúdo

Em meio a temores no mercado financeiro de ingerência política na Petrobras, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 1.º, que a semana será de "jogo pesado" com a empresa, sem detalhar qual seria a estratégia do Governo Federal ao longo dos próximos dias. O chefe do Executivo disse saber, de forma extraoficial, que a estatal fará um novo reajuste nos preços dos combustíveis dentro de 20 dias. "Isso não pode acontecer", afirmou sobre o novo aumento.

As declarações foram dadas a jornalistas na cidade italiana de Anguillara Veneta, onde o presidente recebeu o título de cidadão local. Para comparecer à agenda de caráter pessoal, Bolsonaro deixou de ir à COP-26, evento em Glasgow, na Escócia, que reúne os principais líderes globais para discutir temas relacionados ao meio ambiente.

Questionado sobre o Auxílio Brasil, o programa que substitui o Bolsa Família, o presidente disse que a prioridade, neste momento, é a disparada do valor dos combustíveis. "Essa semana vai ser um jogo pesado com a Petrobras. Porque eu indico o presidente. Quer dizer, tem de passar pelo conselho, não sou eu quem indicou, passa pelo conselho. E tudo de ruim que acontece lá cai no meu colo. O que é de bom, não cai nada em meu colo", reclamou Bolsonaro.

"Uma notícia que eu dou pra vocês, eu tenho pressa, a Petrobras vai anunciar, eu sei extraoficialmente, novo reajuste daqui a uns 20 dias. Isso não pode acontecer", acrescentou.

"O que eu quero da Petrobras? Não quero no tocante aos rendimentos que a Petrobras dá para o governo federal, não me interessa esse recurso. Tenho conversado com Paulo Guedes, nós queremos que isso seja revertido diretamente em diminuição do preço do diesel na ponta da linha", disse.

Na última quinta-feira, a Petrobras informou lucro de R$ 31,14 bilhões no terceiro trimestre deste ano. "Vi muito rapidamente", respondeu Bolsonaro sobre o balanço da empresa.

O presidente ainda voltou a dizer que pediu ao ministro da Economia, Paulo Guedes, para estudar a privatização da Petrobras, e novamente jogou a alta dos combustíveis, que corrói sua popularidade, no colo do ICMS cobrado pelos governadores. "A minha contribuição eu já dei", afirmou.

Na sexta-feira, no entanto, Estados aprovaram, por unanimidade, resolução de congelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cobrado sobre os combustíveis por 90 dias, como forma de mitigar a disparada de preços do produto.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.