GP1

Esportes

Justiça da Venezuela ordena prisão de técnico por abuso sexual

Ao todo, 24 jogadoras acusam Kenneth Zseremeta de conduta imprópria na seleção do país.
Por Estadão Conteúdo

Um tribunal venezuelano ordenou a detenção do técnico panamenho Kenneth Zseremeta nesta sexta-feira, após ser acusado de abuso sexual e assédio por 24 jogadoras de futebol venezuelanas que comandou em times de categoria de base, incluindo a estrela Deyna Castellanos, informou a promotoria.

O Ministério Público "solicitou e foi acordado pelo tribunal correspondente: mandado de prisão" contra Zseremeta e um de seus assistentes em sua época como técnico, William Pino. O procurador-geral, Tarek William Saab, publicou em seu Twitter, descrevendo-os como "aberrações."

Horas antes, em nota, o Exceller negou as acusações: "Aceito constitucionalmente a presunção de minha inocência, até que se prove o contrário".

No documento enviado à AFP, o treinador destacou que dirigiu mais de 600 jogadoras durante sua passagem por diferentes categorias da seleção feminina venezuelana (2008-2017) e que quando saiu do país sul-americano o fez sem "ficha criminal."

Na terça-feira, 24 jogadoras de futebol venezuelanas o acusaram de abuso físico, psicológico e sexual em carta aberta publicada nas redes sociais.

“No ano passado (2020), uma de nossas colegas nos confessou que havia sido abusada sexualmente desde os 14 anos (2014) pelo treinador”, relataram sem revelar a identidade da vítima.

“Como resultado dessa confissão, diversas colegas expressaram experiências de assédio, tanto por telefone, como perguntas e convites inadequados, subornos para mantê-las dentro da seleção, presentes fora de contexto, massagens e diferentes situações que definitivamente não eram normais e que nós não entendemos", acrescentaram.

Com Zseremeta, a Venezuela venceu o Campeonato Sul-Americano de Sub-17 duas vezes e se classificou para a Copa do Mundo da Categoria três vezes: Trinidad e Tobago-2010, Costa Rica-2013 e Jordânia-2016.

Durante esse período, “fomos submetidos a entrevistas, programas, documentários e filmes, nos quais não vejo nenhuma das avaliações psicológicas negativas ou traumáticas que se manifestam nesta carta”, disse o panamenho em seu depoimento, inicialmente divulgado pelo jornalista venezuelano Erasmus Provence.

“Nunca sujeitamos (as jogadoras) ao racismo ou perseguição, estereótipos, por causa de sua disposição sexual.”

A Federação Venezuelana de Futebol (FVF) anunciou nesta sexta-feira que pediu à FIFA, à Conmebol e à Concacaf que investiguem Zseremeta.

O presidente da FVF, Jorge Giménez, pediu "para ordenar a desqualificação (do panamenho) no exercício profissional como diretor técnico esportivo" ou "qualquer cargo esportivo", em carta enviada ao presidente da FIFA, Gianni Infantino, e ao responsável pela Comissão de Ética daquela organização, Jorge Palacio, e divulgado pela entidade local.

Depois de deixar a Venezuela, o panamenho trabalhou em seu país natal e na República Dominicana.

Zseremeta, que procurava um novo cargo, disse que a carta publicada pelas jogadoras tem “um flagrante objetivo de obstrução laboral” e considera que “o devido processo foi corrompido de forma midiática”.

A atual treinadora da seleção feminina venezuelana, a italiana Pamela Conti, expressou nesta quarta-feira "total apoio e apoio às nossas jogadoras" em vista de sua "decisão de falar abertamente".

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.