Teresina - PI

Compra de apartamento luxuoso por Lucy Silveira foi feita em família

Consulta ao quadro de sócios e administradores da Construtora aponta a cucunhada do secretário de Governo Charles Silveira, Liana de Almeida Sousa, como uma das sócias da empresa.

GIL SOBREIRA
DE TERESINA
- atualizado

Documentos em poder do GP1, mostram que a Construtora Elo responsável pela execução física do luxuoso edifício Maria Helena Nunes, empreendimento imobiliário no qual a esposa e a filha do prefeito Firmino Filho, Lucy de Farias Carvalho Soares e Bárbara Carvalho, respectivamente, adquiriram um dos mais caros e requintados apartamentos no valor de quase R$ 2 milhões foi um negócio feito em família.

  • Foto: GP1/InstagramLucy Soares Silveira e Bárbara CarvalhoLucy Soares Silveira e Bárbara Carvalho

Consulta ao quadro de sócios e administradores da Construtora aponta a cucunhada do secretário de Governo Charles Silveira, Liana de Almeida Sousa, como uma das sócias da empresa. Charles Silveira é primo de Firmino Filho.

A esposa de Charles Silveira é irmã do juiz de direito Rodrigo Alaggio Ribeiro, que é casado com Liana Almeida Sousa sócia do engenheiro civil Marcos Luciano Leal Veloso na Construtora Elo.

O capital social da empresa é de R$ 10 milhões.

  • Foto: Receita FederalConsulta ao quadro de sócios e administradores da Construtora EloConsulta ao quadro de sócios e administradores da Construtora Elo

Relembre a compra do apartamento

Um assunto tomou corpo nas principais rodas sociais de Teresina. A compra do luxuoso apartamento no Edifício Maria Helena Nunes pela primeira-dama Lucy de Farias Carvalho Soares e Bárbara Carvalho, esposa e filha do prefeito Firmino Filho.

No valor de R$ 1.900.000,00 (um milhão e novecentos mil reais), o apartamento fica situado a Rua Hugo Napoleão, no bairro Jóquei, zona leste de Teresina. O imóvel representa um acréscimo no patrimônio do casal Silveira Soares de mais de 600%, em pouco mais de um ano, já que o valor dos bens declarados em 2016, à Justiça Eleitoral, foi de apenas R$ 285.296,13.

É um caso emblemático para a Delegacia da Receita Federal.