Política

Davi Alcolumbre defende adiamento das eleições no Amapá

O senador é um dos principais cabos eleitorais da candidatura de seu irmão, Josiel Alcolumbre (DEM), que disputa a prefeitura de Macapá.

Por  Estadão Conteúdo

Em conversa reservada com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pediu o adiamento das eleições no Estado do Amapá. O senador é um dos principais cabos eleitorais da candidatura de seu irmão, Josiel Alcolumbre (DEM), que disputa a prefeitura de Macapá.

Barroso ainda não decidiu sobre o assunto, mas o tema deve ser analisado na sessão plenária do TSE desta quinta-feira. O governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), já decretou estado de emergência no Estado, o que pode embasar uma decisão da Justiça Eleitoral de remarcar a votação.

Na noite desta quarta-feira, o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) pediu o adiamento do pleito em Macapá. Em ofício enviado a Barroso, o presidente do TRE-AP, desembargador Rommel Araújo, disse que foi informado por representantes da Abin e de áreas de inteligência do Exército e da Polícia Rodoviária Federal que “várias ações de vandalismo, algumas delas dirigidas e coordenadas por membros de facções criminosas, estão acontecendo na Capital”.

“Com efeito, através de grupos de WhatsApp, parte da população, que sofre com o desabastecimento de água e falta de energia elétrica, está sendo incitada à realização de queima de pneus em via pública, bem como a depredarem o patrimônio público”, ressaltou o desembargador.

“Convém destacar que no próximo domingo, dia 15.11.2020, várias manifestações estão sendo convocadas para demonstração de desagrado em frente aos locais de votação, o que colocaria em risco os eleitores da Capital”, alertou Rommel.

Ao todo, o Amapá tem cerca de 517 mil habitantes habilitados para votar nestas eleições. A capital do Estado é a única das localidades na região onde pode haver segundo turno, por ter mais de 200 mil habitantes.

Na terça-feira retrasada, um incêndio em uma subestação de Macapá causou um apagão e comprometeu o fornecimento de energia na região. Desde então, a possibilidade de adiamento das eleições entrou no radar dos candidatos a prefeito e vereador nos 16 municípios do Estado. Na época, Rommel chegou a afirmar ter garantias de que haveria energia nos locais de votação durante as eleições municipais.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Com apagão, Amapá deixa de contar novos infectados pelo coronavírus

Bolsonaro diz que situação no Amapá só voltará à normalidade em nove dias

Amapá: rodízio de energia atende bairros nobres e periferia fica no escuro