Coronavírus no Piauí

Empresa paralisa obras no Piauí após funcionários contraírem covid-19

A decisão foi tomada após funcionários realizarem protestos depois que 35 profissionais foram diagnosticados com covid-19.

Davi Fernandes
Teresina
- atualizado

A empresa Andrade Gutierrez, responsável pelo consórcio Linhão Bahia-Piauí, paralisou nesta sexta-feira (29) temporariamente as obras realizadas nos municípios piauienses Dirceu Arcoverde, Dom Inocêncio e Lagoa do Barro. A decisão foi tomada após funcionários realizarem protestos depois que 35 profissionais foram diagnosticados com covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

Após serem constatadas as infecções, a empresa tentou levar os funcionários para São Raimundo Nonato em um caminhão, mas foi barrado por policiais do 11° Batalhão da PM e por equipes da Vigilância Sanitária do Piauí. Agentes realizaram o teste rápido que apontou positivo para o novo coronavírus em todos os trabalhadores.

A Andrade Gutierrez já tinha informado ao GP1 que de todos os funcionários que testaram positivo para a doença, infelizmente um veio a óbito. Em relação aos colaboradores que foram barrados em São Raimundo Nonato, a empresa esclareceu que um hotel no município havia sido alugado para que todos os trabalhadores ficassem hospedados durante o isolamento, porém a decisão foi remanejada por orientação da secretaria de saúde local.

Diante da situação, o grupo foi barrado de prosseguir viagem e uma viatura acompanhou o caminhão até a saída de São Raimundo Nonato, em direção a cidade de Campo Alegre de Lurdes, Bahia, de onde eles vieram.

Confira a nota da empresa

Diante da preocupação popular demonstrada em regiões contempladas pelas obras de linhas de transmissão do consórcio Linhão BA-PI, a Andrade Gutierrez e o consórcio responsável receberam autorização do Grupo Equatorial (cliente do projeto) para paralisar as atividades temporariamente a partir de hoje (29). Apesar de o empreendimento ter aprovação das autoridades de saúde para funcionamento e também respaldo legal, a construtora e o consórcio vêm conversando com as respectivas prefeituras e com o cliente ao longo da semana. A paralisação das atividades ocorrerá nos canteiros das cidades de Buritirama (BA), Campo Alegre de Lourdes (BA), Pilão Arcado (BA), Dirceu Arcoverde (PI), Dom Inocêncio (PI) e Lagoa do Barro (PI).

Inicialmente, a paralisação será de 15 dias, a contar da data de hoje, com desmobilização dos funcionários por 30 dias. Todos os que testaram negativo para a doença serão acompanhados pelo consórcio para suas cidades de origem e estão sendo orientados a cumprirem isolamento em suas residências, de forma preventiva. Já os funcionários que apresentaram diagnóstico positivo para a Covid-19 vão seguir cumprindo quarentena com atenção médica nos alojamentos do consórcio. A construtora e o consórcio ressaltam que o isolamento não coloca em risco a população local, uma vez que as instalações têm amplo espaço e todos os cuidados estão sendo adotados.

Cabe destacar que as prefeituras se mostraram abertas a dialogar sobre a questão e explicaram seus anseios à construtora e ao consórcio. Além disso, a medida de paralisação também foi tomada visando a integridade física dos colaboradores, uma vez que populares usaram de violência nos últimos protestos, inclusive com uso de armas. A Andrade Gutierrez e o consórcio lamentam a postura violenta de populares que em nada contribui para a resolução de um problema de saúde pública e lembram que seus funcionários são um extrato da sociedade, estão exercendo suas profissões e trabalhando pelo país, portanto merecem respeito e acolhimento de todos. Por fim, a empresa e o consórcio reforçam que suas obras seguem todos os padrões de higiene e segurança, com realização de triagem diária de saúde das equipes, adequação dos ambientes de trabalho e ampla comunicação preventiva.

NOTÍCIA RELACIONADA

Caminhão com 25 infectados pela covid-19 é interceptado no sul do Piauí