Política

PF diz que há indícios de que Rodrigo Maia recebia caixa 3

A suspeita é de que vários políticos tenham recebido doações de empresas a pedido da Odebrecht.

Andressa Martins
Teresina
- atualizado

A Polícia Federal (PF) apontou indícios de que a campanha do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebeu dinheiro de empresas a mando da empreiteira Odebrecht, prática chamada pela PF de “caixa três”.

A Cervejaria Petrópolis, que fabrica a Itaipava já havia sido apontada em delações de donos e executivos da Odebrecht como principal parceira da empreiteira no caixa três. De acordo com as delações, nas eleições de 2008, 2010, 2012 e 2014 a cervejaria doou cerca de R$ 120 milhões a políticos a mando da Odebrecht.

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoRodrigo MaiaRodrigo Maia

A investigação aponta que em 2014 o presidente da Câmara tenha recebido R$ 200 mil da empresa Praiamar Indústria Comércio e Distribuição, ligada à Cervejaria Petrópolis. A doação foi feita para o DEM, que repassou para Maia.

Segundo a PF, em 2010 a campanha de Maia recebeu R$ 389 mil do diretório estadual do DEM do Rio. O diretório havia recebido R$ 20 mil da Praiamar e R$ 80 mil da Leyroz Caixas Indústria Comércio e Logística, também ligada à cervejaria.

Está sendo investigado também o pai do deputado, o vereador do Rio de Janeiro, Cesar Maia (DEM), que recebeu R$ 50 mil em doação da Cervejaria Petrópolis. O repasse aconteceu também do DEM em 2014, quando disputou vaga no Senado e perdeu.