Teresina - PI

Veja o que vai abrir neste final de semana na cidade de Teresina

Firmino Filho publicou decreto para que a cidade de Teresina tenha medidas mais rígidas em relação ao funcionamento dos estabelecimentos comerciais, para diminuir a disseminação do novo coronavírus.

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

Neste final de semana, a cidade de Teresina terá medidas mais rígidas em relação ao funcionamento dos estabelecimentos comerciais, para diminuir a disseminação do novo coronavírus.

Com o decreto do prefeito Firmino Filho (PSDB), estabelecimentos comerciais como os supermercados e mercados não vão poder abrir no sábado (11) e domingo (12). Os postos de combustíveis também não vão poder funcionar nos dois dias.

  • Foto: Alef Leão/GP1Comércio fechado em TeresinaComércio fechado em Teresina

Estão autorizados a funcionar: farmácias e drogarias, serviços de saúde, serviços de segurança e vigilância, serviços de delivery exclusivamente para alimentação pronta e situações comprovadas de urgência e emergência

Os serviços públicos como energia elétrica, saneamento básico, funerários, segurança pública, telecomunicações e radiodifusão, bem como os estabelecimentos que operam fornos em turnos ininterruptos de 24h, estão autorizados a funcionar neste período, respeitando as normas sanitárias.

A fiscalização das medidas ficará a cargo da Guarda Civil Municipal e da Vigilância Sanitária, com apoio da Strans, Polícia Militar, Polícia Civil e da Secretaria Estadual de Transportes.

Lockdown parcial em julho

O prefeito de Teresina vai manter essas medidas de isolamento social mais rigorosas em todos os finais de semana deste mês de julho. O prefeito explicou que Teresina já saiu do pico da doença, mas que existe uma preocupação para que ocorra uma redução efetiva dos casos, já que no Estado do Piauí a realidade diferente, e ainda chegaria ao pico no final deste mês.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Firmino Filho restringe circulação de carros no Centro de Teresina

“Número de infectados começou a cair”, comemora prefeito Firmino Filho

Firmino Filho explica discordância entre decreto de Wellington e prefeitura