Teresina - PI

Vigia é preso acusado de assassinar morador de rua em Teresina

Francisco de Sousa, ao ser preso, confessou ter praticado o homicídio e ainda alegou ter sofrido ameaças do morador de rua.

Laura Moura
Teresina
Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

Um vigia de um estacionamento identificado como Francisco de Sousa, de 40 anos, foi preso pela Polícia Civil na manhã desta quarta-feira (17), acusado de matar um morador de rua na Praça João Luís Ferreira, no centro de Teresina.

O crime aconteceu na noite de ontem e, conforme o delegado Walter Cunha, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), desde o atendimento da ocorrência, os policiais já tinham conhecimento de quem seria o autor do crime. “Inicialmente, os policiais de plantão, quando foram atender, já tiveram notícias de que o autor permanecia pela região do centro. Hoje pela manhã, a gente continuou as diligências e conseguimos efetuar a prisão dele que estava trabalhando, durante o dia, como servente em uma obra no centro da cidade, que fica no cruzamento da Rua Areolino de Abreu com a Davi Caldas”, informou.

  • Foto: Helio Alef/ GP1Delegado Walter CunhaDelegado Walter Cunha

O delegado ainda revelou que já colheu o depoimento de diversas testemunhas, que relataram que o assassinato ocorreu em uma discussão. “Estava tendo uma distribuição de uma sopa em que o autor teve uma discussão com esse pessoal da distribuição. A vítima, o morador de rua, foi intervir e, no momento, foi golpeado”, completou.

  • Foto: Helio Alef/GP1Francisco de SousaFrancisco de Sousa

Francisco de Sousa, ao ser preso, confessou ter praticado o homicídio e ainda alegou ter sofrido ameaças do morador de rua. “Ele confessa a autoria, mas ele alega que foi ameaçado e que o Thiago teria o provocado tanto fisicamente quanto verbalmente e, receando por sua vida, puxou a faca que tinha na cintura e deu o golpe. Mas, a versão do autor ainda não está bem caracterizada”, pontuou.

  • Foto: Helio Alef/GP1Morador de rua morto na Praça João LuísMorador de rua morto na Praça João Luís

Mesmo com a prisão do acusado, o inquérito policial ainda não foi concluído.

Mais conteúdo sobre: