GP1

Teresina - Piauí

Juiz decreta segredo de Justiça no inquérito que investiga Marcos Vitor

As crianças, vítimas dos abusos sexuais, foram ouvidas em juízo na última quarta-feira, 06 de outubro.

O juiz Valdemir Ferreira Santos, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina, decretou segredo de Justiça no inquérito que investiga o estudante de medicina Marcos Vitor Aguiar Dantas Pereira, acusado de abusar sexualmente de duas irmãs e duas primas. A menor delas tem apenas 3 anos de idade.

O GP1 conversou na noite deste sábado (09) com o advogado Rodrigo Araújo, que representa a família das vítimas. Ele informou que foi decretado segredo de Justiça, logo após as crianças terem sido ouvidas em juízo, na última quarta-feira (06).

Foto: Reprodução/InstagramEstudante de medicina Marcos Vitor
Estudante de medicina Marcos Vitor

“Foi decretado segredo de justiça, não por conta do Marcos Vitor, mas por conta das crianças, que são menores, então tem que ser decretado segredo de Justiça mesmo. Tem depoimento das crianças, elas foram ouvidas nessa quarta-feira, está tudo gravado, por isso que o sigilo se faz obrigatório nesse caso”, explicou.

A irmã mais nova de Marcos Vitor foi ouvida no dia 27 de setembro pela equipe multidisciplinar da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), e revelou ter sofrido abusos.

Pedido de prisão

O advogado disse ainda que o Ministério Público pediu a prisão preventiva de Marcos Vitor. “Agora estamos aguardando pedido de prisão preventiva, o Ministério Público já pediu, estamos aguardando o pedido ser apreciado”, esclareceu.

Foto: Alef Leão/GP1Advogado Rodrigo Araújo
Advogado Rodrigo Araújo

Entenda o caso

No dia 22 de setembro o GP1 publicou reportagem revelando o caso envolvendo o estudante de medicina. A DPCA instaurou inquérito e até o momento não conseguiu localizar o acusado para intimá-lo. A suspeita é de que ele tenha fugido.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.