GP1

Teresina - Piauí

PSDB financiou disparo de fake news contra Wellington Dias, diz jornalista

A declaração do jornalista Thiago Maciel foi dada à Polícia Civil durante a Operação Fake News.

O GP1 apurou que as investigações desencadeadas no âmbito da Operação Fake News, deflagrada pela Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), nessa quinta-feira (15), apontam que líderes do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) de Teresina financiaram a disseminação de fake news contra o governador Wellington Dias (PT) e demais líderes políticos que participaram do último pleito eleitoral na corrida pela Prefeitura de Teresina, em 2020. A informação foi dada à polícia pelo jornalista Thiago Maciel, alvo da operação.

Durante as diligências, a Polícia Civil do Piauí identificou que o membro de uma empresa de publicidade com sede no estado do Ceará, a mando de um líder do PSDB, era responsável por capitalizar o jornalista Thiago Maciel, proprietário do portal de notícias Tribuna Piauí, para que ele propagasse fake news e uma série de ataques velados contra figuras políticas do cenário local, sem deixar escapar nem menos o chefe do executivo estadual, que por diversas vezes teve o nome atrelado a situações falsas.

Foto: Reprodução/Facebook Thiago Maciel
Thiago Maciel

Em entrevista ao GP1, o delegado Anchieta Nery, presidente do inquérito, relatou que os contratantes do serviço do jornalista viram no governador uma figura política relevante no processo eleitoral na Capital e, portanto, passaram a ataca-lo através do disparo em massa de Fake News.

“O governador se tornou vítima porque é uma figura política relevante, alguém compreendeu que ele teria papel fundamental nas eleições de 2020 e optou por, criminosamente, atacar a honra dele e da família. A gente tem diligências em andamento relacionadas a essa situação e está bem claro pra nós investigadores que participamos da situação, mas o claro não é o provado e agora estamos com diligências em andamento para o claro se tornar provado”, ressaltou.

Foto: Lucas Dias/GP1Delegado Anchieta Nery
Delegado Anchieta Nery

Empresa de publicidade operava a mando do PSDB

O delegado ressaltou que durante interrogatório, o principal alvo da operação ressaltou que além do núcleo responsável pela contratação do disparo de Fake News em Valença do Piauí, havia também outro núcleo diferente, este responsável por ataques no âmbito das eleições municipais em Teresina.

“Quanto a essa situação de líderes políticos que estavam envolvidos no pleito eleitoral e Teresina esse investigado confessou, em sede de interrogatório policial, que o contratante dele seria um partido político de Teresina envolvido no pleito eleitoral, que o teria contratado por meio de uma pessoa do mercado da publicidade com base no Ceará. Essas informações são corroboradas por elementos que constam no inquérito policial e que vão ser fruto de novas diligências investigativas”, explicou.

Operacionalização do disparo de Fake News

Anchieta Nery explicou que, se utilizando a inserção de diversos grupos do WhatsApp e páginas no Facebook, o investigado se aproveita para realizar o disparo de fake news que atingia uma quantidade infinita de pessoas bombardeada diariamente com conteúdo que iria além da crítica política e terminava em ataques contra a honra.

“Ele como tinha essa inserção em centenas de grupos de WhatsApp, dos quais de alguns ele era administrador e de outros era membro, e como tinha páginas no Facebook com mais de 10 mil seguidores, ele recebia material editado, arte gráfica acusando os adversários políticos de seus contratantes de crimes ou mesmo difamando essas pessoas falando de situações familiares, situações inverídicas que descamam para uma ação criminosa. Ele recebia esse material e espalhava por meio da rede que ele controlava, a função dele era disseminar esse material. O mesmo acontecei no interior do estado”, finalizou.

Outro lado

O GP1 tentou contato na noite desta sexta-feira (16) com o presidente do PSDB no Piauí, o ex-deputado Luciano Nunes, a fim de obter um posicionamento oficial do partido, mas ele não atendeu às ligações.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.