GP1

Teresina - Piauí

Advogado é preso em motel durante Operação Inventário em Teresina

A esposa do advogado foi presa na residência do casal com uma pistola Glock G19 calibre .9mm e R$ 30 mil.

Um advogado identificado como Elano Lima Mendes e Silva, proprietário do escritório Lima & Mendes Advocacia, foi preso na manhã desta quarta-feira (26), dentro de um motel durante a “Operação Inventário”, deflagrada pela Polícia Civil do Estado do Piauí, em parceria com a Diretoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública (DINTE/SSP). Ele é acusado de estelionato e lavagem de dinheiro.

A esposa de Elano, que também é advogada, não estava com o marido no motel. Liana Erika de Sousa foi presa na residência do casal, onde a Polícia Civil apreendeu uma pistola Glock G19 calibre .9mm e cerca de R$ 30 mil em dinheiro.

Foto: Reprodução/InstagramElano Lima Mendes e Silva e Liana Erika de Sousa
Elano Lima Mendes e Silva e Liana Erika de Sousa

Operação Inventário

A Operação Invetário foi deflagrada pela Polícia Civil com objetivo de cumprir onze mandados de prisão, oito mandados busca e apreensão e bloqueio judicial de bens obtidos como proveito do crime. Os mandados de prisão foram cumpridos no Piauí, São Paulo, Paraná e Paraíba.

Ao todo, quatro advogados foram presos durante a Operação Inventário, sendo três prisões em Teresina e uma no Paraná. Eles são acusados de fazerem parte de um esquema criminoso de fraudes a inventários a fim de obter patrimônio de pessoas falecidas.

Investigações

Segundo a Polícia Civil, as investigações iniciaram ainda no ano de 2020, quando a polícia foi notificada sobre uma possível fraude em um processo de inventário protocolado na comarca de Demerval Lobão. O trabalho de investigação apontou que os advogados usaram documentos falsos e narraram fatos inexistentes para ingressarem com ação de um inventário fraudulento, a fim de obter o patrimônio de um cidadão falecido no estado do Paraná.

Após o início da investigação, os policiais ainda identificaram que o mesmo grupo estava envolvido em tentativas de fraude de execuções fiscais, homologação de acordos trabalhistas e outras ações judiciais, em outras comarcas, tudo com objetivo de violar o patrimônio de pessoas falecidas.

Estima-se que as fraudes até então identificadas tenham rendido aproximadamente R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais) à organização criminosa. Novos inquéritos serão instaurados para investigar possíveis novas fraudes praticadas com o mesmo modus operandi.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.