GP1

Piauí

Greve dos motoristas de ônibus completa 26 dias em Teresina

De acordo com o presidente do Sintetro, o Setut continua sem querer receber a categoria para negociar o fim do movimento grevista.

Os motoristas e cobradores de ônibus realizaram uma reunião na tarde dessa quinta-feira (04) e decidiram continuar o movimento grevista em Teresina. A greve teve início no dia 08 de fevereiro e já dura 26 dias.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Transporte Rodoviário (Sintetro), Ajuri Dias, o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut), ainda não recebeu a categoria para uma negociação.

Foto: Lucas Dias/GP1Manifestação de motoristas de ônibus
Manifestação de motoristas de ônibus

“Tivemos uma reunião para debater alguns pontos, mas a greve continua por tempo indeterminado, porque o Setut não nos recebeu até agora. Existe uma expectativa para conversamos com eles hoje, mas nada certo ainda”, contou o sindicalista.

Sem acordo

Em entrevista ao GP1, o secretário de previdência e assistência social do Sintetro, Francisco Sousa, afirmou que os trabalhadores buscaram um acordo com os donos das empresas de ônibus, porém, sem sucesso.

“Nós começamos a negociar nossa convenção desde dezembro do ano passado que era para ter fechado até o dia 1º de janeiro e não obtivemos sucesso. Diante dessa situação, por não fecharmos a nossa convenção coletiva do trabalho, os trabalhadores decidiram em assembleia, no dia 26 de janeiro, entrar em greve no dia 08 de fevereiro”, explicou.

A categoria reivindica a realização de acordo coletivo ano 2021, a manutenção do salário no valor de R$ 2.028,00, atualmente está sendo pago R$ 1.941,00 e cobram ainda a reposição de benefícios que os trabalhadores alegam terem sido retirados durante a pandemia de covid-19.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.