GP1

Piauí

Abusos sexuais contra crianças e adolescentes crescem 55% em Teresina

Os conselhos tutelares já atenderam 45 casos de violência sexual infantil somente entre janeiro e março.

Levantamento realizado pelo GP1 com os dados dos conselhos tutelares de Teresina sobre abusos e exploração sexual dos três primeiros meses de 2022, apontaram que os casos de violência sexual contra menores cresceram mais de 55% em relação ao ano passado na Capital piauiense. Recentemente, várias prisões de acusados de estupro contra crianças e adolescentes ganharam repercussão e chocaram a população, como a do apresentador de TV Alcide Filho e do perito Francisco das Chagas Pinheiro Martins.

De acordo com os dados, disponibilizados pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), foram 45 casos registrados entre janeiro e março, sendo 16 a mais do que em relação ao ano passado, quando 29 casos chegaram aos conselheiros. Dos 45 registros, 19 foram na zona sul e 13 na zona leste, regiões que concentram a maioria dos casos de violência sexual contra crianças e adolescentes.

Foto: Divulgação/SemcaspiCrianças vítimas de violência em Teresina
Crianças vítimas de violência em Teresina

Ao GP1, o conselheiro tutelar Melquisedeque Fernandes, que atua na zona sul de Teresina, alertou que infelizmente a maioria dos abusos sexuais acontece dentro do seio familiar da vítima e chamou atenção para os sinais de violência que são demonstrados pelos menores.

“Enquanto Conselho Tutelar nós damos um alerta para que os pais e responsáveis estejam atentos a todos os sinais de natureza física e também psicológico de que uma criança possa estar sendo vítima de abuso de exploração sexual. Uma vez suspeitando ou tendo a confirmação de que tais violações de fato estão acontecendo, a sociedade não pode se omitir, deve denunciar, são inúmeros os canais de denúncia, o que não pode haver é omissão diante dessa realidade tão grave que é o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes na cidade de Teresina. Mas lamentavelmente é no seio familiar que acontece as piores violações contra esse público infanto-juvenil", relatou Melquisedeque.

O conselheiro afirmou que as denúncias podem ser feitas em diversos canais. “As denúncias chegam de diversas maneiras, podem ser realizadas através do disque 100, no próprio Conselho Tutelar, no SAMVIS, que é o Serviço de Assistência a Mulheres vítimas de violência sexual, por meio da escola, na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), enfim, o importante é a sociedade não se omitir”, finalizou.

Prisão de Alcide Filho

O apresentador da TV Meio Norte, Alcide Filho, foi preso no dia 8 de junho pela Polícia Civil do Piauí acusado de estuprar um adolescente de 14 anos de idade na cidade de Teresina. A prisão ocorreu no centro da Capital, logo após denúncia do adolescente, que narrou a prática reiterada do crime pelo apresentador. A ação foi realizada nas primeiras horas desta manhã pela Gerência de Polícia Especializada, em conjunto com a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

Ao final, a delegada ressaltou que durante todo o depoimento do acusado ele negou ter cometido o crime. "Ele negou, sempre mostrando que estava fazendo um bem ao adolescente, formando um cidadão, levando emprego", disse.

Perito criminal foi indicado por abusar de crianças em condomínio de Teresina

A Polícia Civil do Piauí, através da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), concluiu o inquérito e indiciou o perito criminal Francisco das Chagas Pinheiro Martins, de 64 anos, pelo crime de estupro de vulnerável contra duas crianças em um condomínio em Teresina.

O perito foi preso temporariamente no dia 13 de maio, na cidade de Campo Maior, e com a conclusão do inquérito teve a prisão preventiva decretada. Francisco das Chagas morava no mesmo condomínio das vítimas e, segundo as denúncias, abusava das crianças tocando nas partes íntimas das menores.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.