GP1

Política

Bolsonaro entrega a investigado da Lava Jato comando do Banco do Nordeste

O presidente Jair Bolsonaro resolveu buscar apoio de parlamentares do Centrão para tentar evitar um eventual pedido de impeachment e tentar reeleição em 2022.

Após perder o apoio do ex-juiz federal Sérgio Moro, reconhecido pelo seu trabalho à frente da Operação Lava Jato, o presidente Jair Bolsonaro resolveu buscar apoio de parlamentares do Centrão para tentar evitar um eventual pedido de impeachment e tentar reeleição em 2022.

Bolsonaro, eleito com quase 58 milhões de votos e prometendo acabar de vez com a corrupção, a tempo que perdeu o ministro da Justiça, Sérgio Moro, resolveu entregar ao Progressistas a presidência do Banco do Nordeste. O deputado Arthur Lira é quem vai comandar o banco público.

  • Foto: ReproduçãoJair Bolsonaro e Arthur LiraJair Bolsonaro e Arthur Lira

A informação de que a direção do Banco do Nordeste seria indicação de Arthur Lira foi publicada neste domingo (26) pelo jornalista Robson Bonin, da coluna Radar, da Revista Veja. “Na semana que passa, Bolsonaro prometeu a seu amigo de PP, Arthur Lira, nada menos que a presidência do Banco do Nordeste”, diz o jornalista.

Arthur Lira foi investigado na Lava Jato acusado de superfaturar contratos da Petrobras. Em fevereiro deste ano o Tribunal Regional Federal (TRF4) manteve a ação de improbidade administrativa contra o deputado alagoano sob o entendimento de que existem ‘fartos elementos demonstrando que ele teria recebido vantagens indevidas juntamente com outros políticos do Partido Progressista provenientes de contratos superfaturados da Petrobrás’.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sérgio Moro anuncia saída do Governo Jair Bolsonaro

Leia a íntegra do pronunciamento de Bolsonaro ao rebater Moro

Após saída de Moro, nova crise no Governo envolve Paulo Guedes

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.