GP1

Saúde

Marcelo Queiroga assina carta para criar unidade da Oxford no Brasil

O ministro disse que a iniciativa tem o objetivo de fortalecer os sistemas de saúde de acesso global.
Por Estadão Conteúdo

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, assinou nesta quarta-feira, 27, uma "carta de intenção" para a criação de uma unidade de pesquisa e educação em parceria com a Universidade de Oxford no Brasil. Detalhes como o local de instalação ou a data prevista para a sua inauguração ainda não foram divulgados.

Durante o evento no Museu de História Natural da instituição, na Inglaterra, Queiroga disse ainda que a iniciativa tem como objetivo o "fortalecimento dos sistemas de saúde de acesso global". "A pandemia nos ensinou muito, mas sobretudo ensinou que é através da ciência de qualidade", afirmou.

"Esse termo de compromisso é um aceno para o futuro, para a formação de pesquisadores de altíssimo nível e que poderão, sim, construir um sistema de saúde mais eficiente, mais sólido, e com capacidade de atender o Brasil com uma qualidade cada vez melhor", declarou o ministro, sem detalhar como a unidade da instituição funcionará no País.

Representantes da Universidade de Oxford também afirmaram que a cooperação com o Brasil visa a "garantir que nenhum lugar seja tomado de surpresa por uma nova pandemia".

Dose de reforço

Durante o evento, Queiroga também comentou o estudo encomendado pelo ministério à Universidade de Oxford sobre a aplicação da dose de reforço no País. Apesar de ainda não ter publicado os resultados completos, ele afirmou que a pesquisa analisou a duração dos anticorpos gerais e neutralizantes em quem tomou as quatro vacinas disponíveis no Brasil (Coronavac, AstraZeneca, Pfizer e Jansen) seis meses após completarem o esquema vacinal.

Sem apresentar detalhes do estudo, a equipe apenas afirmou que há um declínio de todos os anticorpos seis meses após a aplicação da segunda dose e que as vacinas de plataforma heteróloga (Pfizer, Jansen e AstraZeneca) teriam causado uma "resposta significativamente mais robusta" com a aplicação da terceira dose. Queiroga disse que, após a publicação dos dados completos, "será possível fazer uma programação mais ampliada" do PNI para o próximo ano.

Nos meses anteriores, o ministro tem protagonizado um embate com o governo de São Paulo após ter afirmado que não pretende indicar a Coronavac para ser usada como dose de reforço no PNI. Ele, entretanto, não deixou claro se mantém a posição após os dados do estudo.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.