Colunista Brunno Suênio
GP1

Cunhado afirma que dono do Frango Potiguar e primo executaram adolescentes

O Instituto de DNA coletou material para comparar vestígios de sangue encontrados na L200 do empresário.

O duplo assassinato dos adolescentes Anael Natan Colins Souza da Silva, 17 anos, e Luian Ribeiro de Oliveira, de 16 anos, mortos no dia 13 de novembro de 2021, na zona leste de Teresina, está prestes a ter uma reviravolta. 

Amauri Mendes Freitas, cunhado do dono do Frango Potiguar, João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues, procurou o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa – DHPP –, e em depoimento gravado em áudio e vídeo, narrou que seu cunhado, o empresário João Paulo e o primo, o advogado Guilherme de Carvalho, são os responsáveis pela execução dos jovens. Segundo depoimento, o empresário e o advogado foram até o local onde os adolescentes foram assassinados, inclusive, ele relatou que João Paulo conduziu o veículo a todo momento, colocando por terra a versão alinhada do empresário João Paulo, do advogado Guilherme e do servidor público Francisco das Chagas Sousa, que havia assumido a autoria do crime.

Foto: Reprodução/FacebookJoão Paulo
João Paulo

A oitiva de uma peça-chave do caso, aguardada para os próximos dias, vai esclarecer, por fim, as demasiadas versões que surgiram nos depoimentos colhidos do empresário João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues, que negou autoria do crime; do seu tio, advogado Francisco das Chagas Sousa, de 70 anos, que por sua vez atribuiu a si o duplo assassinato; além do seu filho, o advogado Guilherme de Carvalho Gonçalves Sousa e, por último, o cunhado do empresário João Paulo, Amauri Mendes Freitas.

Foto: Reprodução/WhatsAppAdolescentes desaparecidos
Anael Natan Colins Souza da Silva e Luian Ribeiro de Oliveira

Como a oitiva que já tem data marcada para ocorrer, o DHPP vai ratificar a tese apurada no início da investigação e individualizar a conduta de cada um dos personagens envolvidos no duplo assassinato dos adolescentes.

Exames de DNA

Sem se afastar das provas técnicas, uma fonte confidenciou que o Instituto de DNA já coletou material para comparar os vestígios de sangue encontrados na L200 Triton do empresário João Paulo. O resultado será mais um elemento que vai corroborar com os dois últimos depoimentos prestados à Polícia Civil.

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.