GP1

Teresina - Piauí

Tio de empresário confessou execução de adolescentes, diz Luccy Keiko

O tio do empresário João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues prestou depoimento à polícia.

Em entrevista à imprensa na manhã desta quarta-feira (26), o delegado geral Luccy Keiko, deu mais detalhes das investigações sobre o assassinato dos adolescentes Anael Natan Colins Souza da Silva, 17 anos, e Luian Ribeiro de Oliveira, de 16 anos.

Segundo Luccy Keiko, o tio do empresário João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues, dono do Frango Potiguar, alegou em depoimento que praticou o crime sozinho, sem a ajuda de terceiros. “Esse tio assume a autoria do homicídio, é um indivíduo de aproximadamente 60 anos, aparentemente idoso, disse que realmente matou os menores, foi ouvido, chorou, foi interrogado e confessou o crime. Ele está assumindo a responsabilidade de ter feito só, de ter tomado a decisão sozinho. Esse crime é um crime complexo com poucas testemunhas em razão do horário em que as vítimas foram executadas. Então nós temos ainda muito a fazer, principalmente para saber se todos os indivíduos que se encontravam na casa onde os menores foram presos por esse tio do empresário, se todos esses que se encontravam na residência, foram ao local onde eles foram executados”, explicou o delegado geral.

Foto: Alef Leão/GP1Delegado geral Luccy Keiko
Delegado geral Luccy Keiko

Conforme o delegado geral, o empresário João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues confessou que foi à casa onde os adolescentes estavam, mas negou que tenha participado diretamente da execução. “Ele narra que na madrugada do dia do crime, ele teria recebido a ligação de um tio, cuja residência fica ligada uma casa de shows e esses menores estariam lá dentro, teriam entrado lá por algum motivo. Ele chegou à casa desse tio, já teria os encontrado imobilizados por um tio e um primo, filho desse tio e nesse momento o tio dele, que estava armado, pediu o carro dele [empresário] emprestado, que já estava do lado de fora da casa, para levar os garotos, disse que iria resolver o assunto e nesse momento o tio levou até o local onde os garotos foram brutalmente executados. A partir daí a investigação evoluiu muito, nós identificamos esse tio, identificamos o primo, filho desse tio, identificamos as pessoas que estiveram na casa e tiveram contato com esses menores”, ressaltou Luccy Keiko.

Foto: Alef Leão/GP1Delegado geral Luccy Keiko
Luccy Keiko

O delegado explicou ainda que a soltura do empresário se deu porque ele colaborou com a investigação e foram colhidos elementos suficientes para chegar a outras pessoas envolvidas no crime. “A prisão temporária desse empresário, que foi concedida após o pedido de reconsideração, segundo a autoridade policial, haveria a orientação que cumprido objetivo daquela diligência, poderia se expedir o alvará de soltura. Até ontem nós tínhamos apenas uma suspeita em relação ao carro utilizado no crime, que seria o carro desse empresário, que está apreendido. Após a prisão, depois do empresário ser interrogado pela autoridade policial, ele resolveu contar o que teria ocorrido. O que eu quero destacar é que o fato de o indivíduo ter sido posto em liberdade em razão de uma temporária não significa que ele não possa ser preso por uma preventiva e quaisquer outros indivíduos”, frisou Luccy Keiko.

Foto: Alef Leão/GP1Carro do empresário João Paulo que foi usado no crime
Carro do empresário João Paulo que foi usado no crime

Luccy Keiko garantiu que com o avanço das investigações mais pessoas devem ser presas nos próximos dias e o crime será completamente elucidado, dando uma resposta as famílias das vítimas e à sociedade. “Nós não aceitamos de plano a versão deles e vamos investigar com cautela, com muita robustez para tomar as medidas necessárias. O foco principal agora é saber realmente quem são os indivíduos que tiveram a intenção de matar as vítimas. A nossa intenção é dar a resposta que esse caso merece. É um caso complexo e necessita de mais alguns dias pra gente chegar a uma conclusão que abarque todos os envolvidos”, completou o delegado geral.

Prisão de João Paulo

O empresário João Paulo de Carvalho Gonçalves Rodrigues, 35 anos, dono do Frango Potiguar, foi preso nessa terça-feira (25), por meio de um mandado de prisão, acusado de participar da morte dos adolescentes Anael Natan Colins Souza da Silva, 17 anos, e Luian Ribeiro de Oliveira, de 16 anos. Ao todo foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão em residências ligadas ao empresário no bairro Jóquei, zona leste de Teresina.

Foto: Reprodução/FacebookJoão Paulo
João Paulo

Conforme o suspeito, os dois jovens escalaram o muro da casa dele com o intuito de realizar um roubo e ele, acompanhado de outras pessoas, conseguiu dominar os dois. Durante depoimento, o empresário acusou um tio e um primo de realizarem o crime e afirmou que só forneceu o carro em que os jovens foram transportados até o local do crime.

Os rapazes foram mortos no local onde os corpos foram achados.

O desaparecimento

Os familiares dos garotos chegaram a pedir ajuda ao GP1 a fim de localizar os meninos, que desapareceram na madrugada do dia 13 de novembro. Os corpos dos adolescentes Luian Oliveira e Anael Natan foram encontrados no dia 15 de novembro de 2021 em estado de decomposição no KM 12 da rodovia PI 112, próximo ao Povoado Anajás, zona rural leste de Teresina.

Foto: Reprodução/WhatsAppAdolescentes desaparecidos
Adolescentes desaparecidos

Segundo relatos da mãe de Anael, Gilmara Sousa, os rapazes eram amigos, moravam no Planalto Uruguai, zona leste da capital, e costumavam sair juntos. No último dia em que foram vistos, eles saíram em uma motocicleta para o bar Skina do Caranguejo, depois seguiram para o Depósito Mais, na Avenida Dom Severino, e teriam ido a um sítio, onde estava acontecendo uma festa.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.