GP1

Brasil

Acidente em MG expõe necessidade de rever regras de áreas turísticas

Desastre poderia ser evitado, caso normas técnicas exigissem uma análise geológica de perigo nos cânions.
Por Estadão Conteúdo

O desabamento expõe a necessidade de o Brasil rever as regras de segurança para o turismo de aventura e ecoturismo. Essa é a avaliação de diversos geólogos, que consideram que o desastre de Capitólio poderia ser evitado, caso as normas técnicas nacionais exigissem uma análise geológica de risco para áreas como a dos cânions.

Segundo o geólogo Tiago Antonelli, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), “a cultura de análise geológica no Brasil é restrita a obras de engenharia, onde são obrigatórias”. “O que ocorreu pode ser um marco nas áreas turísticas.”

A responsabilidade de fiscalização e segurança da área é da prefeitura de Capitólio e da Marinha. Nas normas de segurança do município, nenhuma regra prevê o risco de desabamentos de rochas. Segundo o prefeito da cidade, Cristiano Geraldo da Silva, os critérios de segurança devem ser criados a partir da tragédia. “Precisamos de uma equipe técnica para fazer uma avaliação e a partir daí criarmos critérios de segurança, pensando em fatalidades como essa”, afirmou à TV Integração.

Tiago Antonelli observa ainda que o Serviço Geológico poderia realizar uma análise do local, mas precisaria do pedido oficial do município para isso. “Nós não temos a cartografia desta área, e não recebemos o pedido para verificar as suscetibilidades até hoje.”

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.