Barras - PI

Carlos Monte decreta situação de emergência após alagamentos em Barras

O prefeito contou ao GP1, durante entrevista na tarde desta quarta-feira (11), que foi montado um comitê de crise ao lado do Hospital Municipal Leônidas Melo, para dar apoio aos desabrigados.

Fábio Wellington
Teresina
- atualizado

O prefeito Carlos Monte, do município de Barras, cidade distante 127 km de Teresina, decretou situação de emergência, após o Rio Marataoan atingir a cota de inundação e alagar parcialmente cerca de cinco bairros que ficam na parte mais baixa do município.

Carlos Monte contou ao GP1, durante entrevista na tarde desta quarta-feira (11), que foi montado um comitê de crise ao lado do Hospital Municipal Leônidas Melo, para dar apoio aos desabrigados. No local estão presentes assistentes sociais, bombeiros civis, socorristas voluntários do GAV e médicos.

  • Foto: Divulgação/GAVSocorristas resgatam moradores de áreas de risco em Barras Socorristas resgatam moradores de áreas de risco em Barras

“Até o momento nossa equipe já contabilizou cerca de 50 famílias desabrigadas ou tiradas de áreas de risco por nossas equipes. São mulheres, homens e crianças que estão sendo encaminhadas para prédios públicos que estamos utilizando como abrigo. Ao todo mais de 80 pessoas trabalham neste momento no resgate e no monitoramento das áreas de risco. Eu também já solicitei uma equipe do Corpo de Bombeiro, que deve chegar ao município até o início da noite de hoje”, relatou o prefeito.

Segundo Francisco Sampaio, do Grupo de Apoio Voluntário (GAV), e coordenador do comitê de crise na cidade, o Rio Marataoan está 70% acima do normal, e a previsão é que nas próximas horas o volume da água aumente mais 8 centímetros.

  • Foto: Divulgação/GAVRua alagada em BarrasRua alagada em Barras

“A conta de inundação foi atingida ontem durante a madrugada, e nas últimas horas a água subiu 80 centímetros, situação muito acima do normal. O rio continua enchendo, em um ritmo mais lento, mas deve aumentar no entorno de 8 cm até o final da noite”, explicou Francisco Sampaio.