Barras - PI

Polícia mata mais dois acusados de explodir bancos em Campo Maior

A informação foi confirmada na manhã desta segunda-feira (06) pela Secretaria de Segurança Pública do Piauí.

Laura Moura
Teresina
Jonas Carvalho
Teresina
Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

Mais dois criminosos acusados de integrar a quadrilha responsável por explodir e roubar duas agências bancárias no município de Campo Maior foram mortos durante confronto com a polícia na madrugada desta segunda-feira (06), na cidade de Barras. Ao todo, oito indivíduos do grupo criminoso foram mortos após resistirem as abordagens policiais.

A informação foi confirmada pela Secretaria de Segurança Pública do Piauí na manhã de hoje. Os policiais realizaram também a apreensão de armas e munições.

O secretário Fábio Abreu explicou a imprensa que foi realizado um procedimento de praxe utilizado em situações de roubo a banco. Os policiais da unidade realizaram barreiras ou, caso não fosse possível fazer, enviavam informações aos integrantes da operação que estava sendo coordenada pelo coronel Márcio Oliveira e o coordenador do GRECO, delegado Tales Gomes.

Foto: Divulgação/PC-PISecretário Fábio AbreuSecretário Fábio Abreu durante operação

“Nesse caso, foi acionado o plano de emergência, as informações foram sendo repassadas, as imagens, os vídeos dos três carros se deslocando para a direção de Batalha e, partir disso, as informações de onde eles poderiam estar. Passa-se todas as informações para quem participa da operação, tem um comandante, porque tem que ter tanto um da parte da Polícia Militar quanto da Polícia Civil para coordenar as ações que são o coronel Márcio e o delegado Tales Gomes. Posteriormente, eu também acompanhei as operações no próprio terreno. A partir daí eles começaram a aparecer sempre em três veículos, que foram identificados em direção de Parnaíba, saindo de São José do Divino e Batalha, para Cocal. Até então, não se tinha mais informações, mas continuava o cerco envolvendo Piracuruca”, informou.

Após um confronto policial, Fábio Abreu destacou que a quadrilha se dividiu em dois grupos. Um deles retornou para Cocal e o outro foi para Barras. Porém, o carro que tinha como destino a cidade de Cocal ficou sem combustível e o segundo veículo, que estava em Barras, atolou.

“Eles estavam retornando para o local que dormiram no primeiro dia para planejar um outro assalto em um banco. Por isso, eles retornaram de Cocal. [...] O coronel Márcio, que estava com uma guarnição, fez alguns disparos e a partir disso eles começaram a se desequilibrar na questão logística, perderam um veículo e se dividiram em dois grupos. Um grupo foi para Cocal e o outro foi para Barras e Batalha. Lá, mais uma vez, com esse cerco, para desviar do cerco, eles foram para uma vicinal e o carro atolou. Então, eles perderam mais um carro. E o veículo que foi para Cocal acabou o combustível. Então os dois grupos ficaram no mato e aí nós concentramos as ações nos dois locais. Ontem, nós conseguimos achar o local exato de onde eles estavam”, completou.

Material apreendido

O coronel Márcio Oliveira listou todo o material apreendido pela polícia nas ações. Além do armamento, até o momento, uma quantia de R$ 50.000,00 foi recuperada. "Quanto ao armamento, nós temos um fuzil AK47, calibre 762, um fuzil americano modelo M4, calibre 556, três pistolas Glock G17, com capacidade para fazer tiro automático, com calibre de 9 mm, outra pistola Glock G19, outra pistola de fabricação turca de 9 mm, nós temos uma pistola .40, temos cerca de seis coletes balísticos, temos cinco explosivos de metalom utilizados para a detonação de caixa eletrônico, temos outros três explosivos com imãs fortes que são instalados em cofres fortes. Isso dá uma ideia de que eles estariam preparados para realizar mais dois ataques à instituição financeira. Muita munição desses diversos calibres. Nós já temos na área de Cocal pouco mais de 50 mil reais recuperados, esse dinheiro estava dividido entre cada um dos seis neutralizados e acreditamos que o grosso do dinheiro esteja lá com o pessoal que está na área de Barras e Batalha. Esse dinheiro que foi apreendido agora está sendo contabilizado ainda, os veículos estão sendo trazidos para cá, todos foram periciados para se fazerem os levantamentos de investigação das equipes de inteligência da Polícia Civil", detalhou.

Relembre o caso

Na última terça-feira (30), criminosos fortemente armados explodiram duas agências bancárias no centro de Campo Maior. Aproximadamente 15 homens entraram nas agências do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, explodiram os bancos e, em seguida, se dirigiram aos cofres, de onde levaram o dinheiro. No último domingo (05), cinco suspeitos de integrar a quadrilha que praticaram o roubo foram mortos durante um confronto com a Polícia Militar do Piauí e do Ceará em Cocal.

Outros cinco indivíduos foram presos pela Força-Tarefa da Secretaria de Segurança Pública desde o roubo às agências bancárias em Campo Maior. Eles foram identificados como Dyego Harmando Cardoso Rocha, Hassan Rufino Borges Prado Aguiar, Emerson Souza da Silva, Vinícius Pereira da Silva Júnior, Josenverton dos Santos Sousa. Vale ressaltar que Hassan Rufino Borges Prado Aguiar é filho do coronel Francisco Prado, ex-comandante da PM-PI, que morreu em abril de 2015.

Na noite do domingo (05), a Secretaria de Segurança Pública informou que mais um suspeito de integrar o grupo criminoso veio a óbito.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Morre 6º acusado de integrar quadrilha que explodiu bancos em Campo Maior

Filho de coronel e outros 4 são presos por explodir bancos em Campo Maior

Suspeitos de roubar bancos em Campo Maior são mortos em confronto com a PM

Agência do BB explodida por quadrilha pode desabar em Campo Maior