GP1

Política

Morte do prefeito Bruno Covas gera comoção no meio político

Prefeito morreu na manhã deste domingo, 16, vítima de um câncer; ele deixa o filho Tomás, de 15 anos.
Por Estadão Conteúdo

A morte precoce do prefeito Bruno Covas (PSDB), de 41 anos, na manhã deste domingo, 16, gerou comoção no meio político. Ao longo de um ano e meio, o tucano demonstrou determinação e otimismo para tratar de um câncer agressivo já descoberto em processo de metástase. Desde abril, a doença evoluiu muito rapidamente e complicações em seu tratamento levaram à morte, pela primeira vez, de um prefeito de São Paulo durante o mandato. A coincidência em relação ao avô, Mário Covas, que também morreu de câncer quando era governador do Estado, há 20 anos, torna a morte ainda mais marcante e sofrida entre amigos e familiares. Bruno Covas deixa o filho Tomás, de 15 anos.

Governador de São Paulo e ex-companheiro de chapa de Covas, João Doria agradeceu os momentos compartilhados com o prefeito. Em nota, Doria presta solidariedade aos pais de Covas, Renata e Pedro, o irmão, Gustavo e o filho, Tomás.

"Tive o privilégio de acompanhá-lo desde o início da vida pública, ao lado do seu avô Mario Covas. Tive a honra de tê-lo como vice, na prefeitura de São Paulo. E a alegria de ver seus ideais e realizações aprovados nas eleições de 2020. Bruno Covas era sensível, sereno, correto, racional, pragmático e ponderado. Voz sensata, sorriso largo e bom coração. Bruno Covas era esperança. E a esperança não morre: ela segue, com fé, nas lições que ele nos ofereceu em sua vida. Muito obrigado, Bruno. Você foi e continuará sendo para todos nós, um eterno exemplo", escreveu.

Líder histórico do PSDB, o senador José Serra lamentou a morte precoce do prefeito, que classificou como "uma imensa perda". "Era uma bela figura humana e um grande quadro político. Fará muita falta a todos nós e à cidade de São Paulo, que ele vinha administrando com dedicação e competência."

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, lamentou a perda humana e política com a partida de Covas. "Guerreiro Jovem. Jovem Guerreiro. Preparado para servir a vida pública, inspirador, decente, bem humorado, Amigo, pai amoroso. Na escassez de Grandes quadros na vida pública nacional é uma perda imensa. Que Deus acolha esse ser fantástico. E sua família seja imensamente confortada por sua exemplar vida. A Tomás do fundo do coração um afetuoso abraço", escreveu.

Recém-filiado ao PSDB, o vice-governador Rodrigo Garcia disse ter perdido "um grande amigo", enquanto São Paulo e o Brasil "perderam um líder carismático e sensível". "Estive com ele na quinta à tarde e fui recebido com o mesmo sorriso de sempre. Estava sereno, em paz consigo. Estou triste demais. Não é certo e não entra na minha cabeça que alguém tão jovem parta tão cedo. Eu só tenho a agradecer pela amizade e generosidade que criamos nesses anos. Meu abraço carinhoso ao Tomás, seu filho, à Renata, sua mãe, e aos demais familiares e amigos. Força, foco e fé continuarão a nos guiar, sempre. Fique com Deus, irmão. Sua missão agora é nossa."

Em nota oficial, o PSDB lembrou a batalha de Covas contra o câncer e sua dedicação à vida pública. A sigla também destacou as qualidades do político Covas: "Bruno Covas representava uma esperança. Um quadro da política, formado na militância partidária, que valorizava o diálogo e a construção de consensos. Em um momento tão polarizado e, com um enorme vazio de lideranças, fará enorme falta. Seu exemplo nos inspira hoje e sempre".

Líderes do rival histórico do PSDB na política nacional, o PT, também prestaram homenagens a Covas. A ex-presidente Dilma Rousseff, lamentou a morte do prefeito: "O Brasil perdeu um dos seus promissores líderes políticos". Ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad prestou seus sentimentos à família Covas pela perda precoce. Eduardo Suplicy, vereador mais votado na capital paulista nas últimas eleições, também se solidarizou com os familiares do prefeito, e disse que, em homenagem a Covas, "vamos todos realizar um esforço para fazer desta cidade um exemplo de realização de justiça, solidariedade e dignidade para todos as paulistanas e paulistanos."

Adversário de Covas no segundo turno nas últimas eleições municipais, Guilherme Boulos (PSOL), escreveu em suas redes sociais que teve uma convivência "franca e democrática" com o líder do PSDB. "Minha solidariedade aos seus familiares e amigos neste momento difícil. Vá em paz, Bruno!".

Lideranças do MDB também prestaram homenagens. O ex-presidente da República, Michel Temer, compartilhou uma foto ao lado de Bruno Covas, e escreveu: "Acabo de receber a tristíssima notícia do falecimento de Bruno Covas. Tão jovem, tão afável, tão idôneo. Com ele vai embora parte da nossa esperança. Descansa em paz". O senador e ex-governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos, declarou que "o Brasil perdeu hoje um homem público de princípios e de uma trajetória marcada por muito trabalho e dedicação".

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.