GP1

Brasil

Bolsonaro fala com Lewandowski e afirma que vacinação não é obrigatória

O presidente decidiu entrar em contato após decisão sobre fiscalização dos Ministérios Públicos.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, nesta quarta-feira (20), que conversou com Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), e que o ministro reforçou que a vacinação contra a covid-19 nas crianças não é obrigatória.

O chefe do Executivo federal decidiu entrar em contato com Lewandowski após ser noticiado que o ministro teria determinado que os Ministérios Públicos Estaduais fiscalizassem a vacinação de crianças de 5 a 11 anos. As informações são da Revista Oeste.

Em entrevista ao programa Os Pingos Nos Is”, da Jovem Pan, o presidente destacou que ligou para o ministro assim que começaram as notícias de que a vacinas seriam obrigatórias e que os pais que não vacinassem os filhos seriam multados. “Ele esclareceu que a vacina, conforme despacho dele mesmo, não é obrigatória para as crianças”, disse Bolsonaro.

“Na conversa que eu tive com ele, o ministro deixou muito claro que não há intenção por parte dele que essa autorização de buscar os pais para aplicar sanções fosse dada a prefeitos e governadores. A decisão de Lewandowski para os 27 MPs do Brasil foi para que eles observem o direito das crianças”, concluiu Bolsonaro.

Fiscalização

A decisão do ministro para o envio dos ofícios aos Procuradores-Gerais de Justiça dos 26 Estados e do Distrito Federal para que adotem as ‘medidas necessárias’ para fiscalizar a vacinação de crianças e adolescentes contra a covid-19 se deu após o questionamento do partido Rede Sustentabilidade sobre casos de pais antivacinas.

Em nota, o gabinete do ministro disse que os Ministérios Públicos devem verificar se os pais ‘estão tendo o devido cuidado’ com a saúde das crianças no tema da imunização.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.