Política

Júlio César diz que reforma tributária deve fortalecer os Estados

O deputado Júlio César é o único piauiense que participa da comissão na Câmara que estuda o assunto.

Bárbara Rodrigues
Teresina
Germana Chaves
Teresina
- atualizado

A reforma tributária está sendo atualmente discutida na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, mas com textos diferentes. O deputado federal Júlio César (PSD) afirmou na quinta-feira (5) que todos estão trabalhando para que não ocorra um aumento da carga tributária e que as mudanças devem fortalecer os estados.

Ao todo, cinco propostas concorrem para liderar o debate da reforma tributária: o da Câmara, o do Senado, da equipe econômica do governo federal, dos Estados e a do Instituto Brasil 200, patrocinada por um grupo de 300 empresários apoiadores de Bolsonaro.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Júlio César, Deputado FederalJúlio César, Deputado Federal

O deputado Júlio César é o único piauiense que participa da comissão na Câmara que estuda o assunto. “Nós trabalhamos para que não ocorra aumento na carga tributária, preservar o direito adquirido dos entes federados e aumentar a participação, principalmente daqueles que mais precisam, que é a participação dos municípios brasileiros na divisão do bolo tributário nacional. Evidentemente que também fortalecendo os estados”, explicou o parlamentar.

A unificação de impostos é uma das propostas que tem sido discutida. O deputado piauiense explicou que em relação a esse assunto, ainda está sendo estudado se essa é a melhor alternativa. “Bom, a gente está fazendo simulações, os próprios governadores e prefeitos já têm uma proposta de emenda, que é inclusive unanimidade no Estado de São Paulo e do Amazonas. Então essa simplificação vai contribuir para dar mais eficiência na máquina administrativa fiscal, mas acima de tudo, o compartilhamento para que nenhum ente perca”, afirmou o parlamentar.

O deputado explicou que todos trabalham com o objetivo de trazer melhorias para o país com essa reforma, mas que várias propostas estão sendo analisadas.

“O governo trabalha com hipótese de extinguir alguns tributos e recriar a antiga CPMF, mas com um outro nome. Então a desoneração da folha vai contribuir para aumentar o emprego, que é tirar aquela retenção do imposto de renda, então é uma renúncia do governo, mas em compensação o governo quer recriar a CPMF. Então estamos fazendo as contas do que sai e do que entra, da ideia e da proposta do governo para que não haja aumento da carga tributária”, destacou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Deputado Themístocles Filho defende aprovação da reforma tributária

Rafael Fonteles defende proposta da Comsefaz para reforma tributária

Câmara e Senado travam disputa por reforma tributária