Política

Confira os pré-candidatos à Presidência da República em 2018

Algumas pré-candidaturas ficaram para trás em 2017, mas nomes novos e já conhecidos do eleitorado vão participar da disputa.

Andressa Martins
Teresina
- atualizado

O ano de 2017 foi sem dúvidas um dos anos mais tumultuados na política brasileira. Além dos escândalos envolvendo grandes nomes da política no país, 2017 ficou marcado pela quantidade dos pré-candidatos à Presidência da República.

Nomes conhecidos pelos eleitores brasileiros seguem na disputa, como o ex-presidente Lula e o tucano Geraldo Alckmin. Nomes novos também apareceram, como João Amoêdo, do Partido Novo, Paulo Rabello de Castro (PSC), presidente do BNDS, e a deputada estadual do Rio Grande do Sul, Manuela D’Ávila (PCdoB).

Alguns presidenciáveis mais parecem memes, mas têm muita expressividade na mídia. É o caso do cirurgião plástico e apresentador de TV, Roberto Miguel Rey Júnior, o Dr. Rey, que possui propostas polêmicas.

  • Foto: Instagram/Dr ReyDr. ReyDr. Rey

Provavelmente o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, saia candidato pelo PSOL. José Maria Eymael (PSDC), candidato em 1998, 2006, 2010 e 2014, também provavelmente aparecerá como candidato em 2018.

Pré-candidaturas gigantescas fizeram muito barulho, mas ficaram esquecidas em 2017, como o caso do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) e do apresentador de TV Luciano Huck. Em 2014 foram 11 candidatos à Presidência, em 1989 foram 22 candidatos.

Veja os pré-candidatos com mais chances de confirmarem candidaturas ao Planalto em 2018.

Luiz Inácio Lula da Silva

O ex-presidente ficou à frente do Planalto entre os anos de 2003 e 2010. Foi condenado em um processo da Operação Lava Jato e é réu em outros seis processos. Lula também foi denunciado em outros três. A estratégia do petista é acusar o atual presidente Michel Temer (PMDB) de desmontar o sistema de proteção trabalhista e previdenciária, por conta das Reformas Trabalhista (aprovada) e Previdenciária (será votada em fevereiro). Segundo a pesquisa Datafolha de dezembro, Lula lidera em todos os cenários de primeiro turno com 34% das intenções de voto.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Ex-presidente Lula Ex-presidente Lula

Geraldo Alckmin

Depois do conflito interno do PSDB para decidir quem presidiria a sigla, Geraldo Alckmin surgiu para abafar os conflitos entre Aécio Neves, Tasso Jereissati e Marconi Perillo e ganhou apoio do partido para ser o pré-candidato em 2018. O marketing da pré-campanha já cogita deixar de lado o sobrenome do tucano e trabalhar apenas ‘Geraldo’, nome mais simples e que pode ganhar parte do eleitorado mais humilde.

  • Foto: Amanda Perobelli/Estadão ConteúdoGeraldo AlckminGeraldo Alckmin

Jair Bolsonaro

O polêmico deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) é Capitão da reserva do Exército e vai se lançar pela primeira vez a um cargo executivo. Bolsonaro tem histórico de declarações controversas em relação a negros, gays e mulheres e defende privatizações. O pré-candidato ganhou apoio nas redes sociais, mas em entrevistas deixou claro que não entende de algumas soluções para economia, saúde e outras pastas, afirmando que deixaria isso nas mãos de seus ministros e secretários caso seja eleito.

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoBolsonaro Bolsonaro

Ciro Gomes

O cearense foi candidato à Presidência em 1998 e 2002 pelo PPS, mas atualmente se encontra no PDT. Ciro Gomes foi prefeito de Fortaleza, governador do Ceará, ministro da Fazenda no Governo Itamar Franco e ministro da Integração Nacional no Governo Lula. O pedetista fez oposição ao presidente Michel Temer e adota um discurso mais à esquerda, defendendo uma intervenção do Estado na economia.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Ciro GomesCiro Gomes

Marina Silva

A ex-senadora Marina Silva foi candidata à Presidência em 2014 após Eduardo Campos falecer em um acidente de avião durante a campanha. No primeiro turno ela teve 20 milhões de votos. Marina continuará com o discurso de desenvolvimento sustentável e deve oscilar entre a direita e a esquerda.

  • Foto: Charles Sholl/Estadão ConteúdoMarina SilvaMarina Silva

Alvaro Dias

O senador paranaense Alvaro Dias, ex-tucano nunca conseguiu espaço no partido, mas desde que se filiou ao Podemos é o pré-candidato pelo partido. O discurso dele deve se focar no enfrentamento da corrupção, como fez em outros casos no decorrer do ano.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Senador Alvaro DiasSenador Alvaro Dias

Henrique Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse em entrevista que até março vai decidir se seu nome estará ou não nas urnas como candidato à Presidência em 2018 para a substituição do chefe, Michel Temer. Meireles exalta números positivos da economia e faz articulações políticas às escondidas, como foi o caso da possível aliança com Rodrigo Maia (DEM).

  • Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão ConteúdoHenrique MeirellesHenrique Meirelles

Manuela D’Ávila

A deputada estadual do PCdoB do Rio Grande do Sul, Manuela D’Ávila, pode ser a primeira candidata do partido a Presidência desde 1989, quando a sigla resolveu apoiar o PT. Manuela descarta a aliança com a candidatura de Lula em 2018, mas petistas ainda têm a esperança de que a deputada volte para a órbita do PT, podendo ser vice do ex-presidente.

  • Foto: Facebook/ Manuela D ÁvilaDeputada Manuela Deputada Manuela

João Amoêdo

O empresário João Dionísio Amoêdo, ex-sócio do Banco BBA, fundou o Partido Novo, sigla que se gaba de não usar dinheiro do Fundo Partidário. Seu principal guru econômico deve ser o ex-presidente do Banco Central no Governo FHC, o economista Gustavo Franco.

Paulo Rabello de Castro

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoPaulo Rabello de CastroPaulo Rabello de Castro

O economista é presidente do BNDES, se filiou ao PSC e é o nome apoiado pelo partido caso a saída de Jair Bolsonaro realmente aconteça em 2018. A sigla ganhou uma mudança e agora foca mais na defesa liberal de um estado mínimo e deixa de lado pautas ligadas aos costumes religiosos.