Política

Osmar Júnior rebate críticas sobre escolha do Banco Brasil Plural

Para o secretário quem deve “oferecer garantias” é quem está pedindo o empréstimo e não o banco.

Andressa Martins
Teresina
Germana Chaves
Teresina
- atualizado

Em entrevista à imprensa na manhã desta quarta-feira (18), o secretário de Governo do Piauí, Osmar Júnior (PCdoB), disse que ficou surpreso com as críticas a respeito da escolha do Banco Plural para o empréstimo de R$ 1,5 bilhão do Governo do Estado.

A oposição questionou a escolha do banco porque a capacidade financeira do Banco Brasil Plural é de apenas R$ 761 milhões. Para o secretário quem deve “oferecer garantias” é quem está pedindo o empréstimo e não o banco.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Osmar JúniorOsmar Júnior

“Eu até fiquei surpreso com essa questão porque em uma relação de crédito, quem tem que oferecer garantias é quem está tomando crédito, está recebendo dinheiro”, afirmou.

Sobre a capacidade financeira do banco, Osmar disse que normalmente bancos trabalham com fundos de investimento e não possuem capital próprio grande.

“Os bancos hoje trabalham normalmente com fundos de investimentos, portanto é muito pouco provável, são poucos os bancos que você encontra hoje no mundo, que tenha o capital próprio muito grande. Normalmente ele trabalha com fundos de investimento. Se o banco confia no Piauí, em entregar o dinheiro, porque vamos desconfiar do banco?”, questionou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Alepi aprova urgência na tramitação de projetos de empréstimos

Gustavo Neiva pede explicações ao governo sobre empréstimos

Wellington Dias esclarece escolha do Banco Plural para empréstimo

Mais conteúdo sobre: