GP1

Teresina - Piauí

Sob protesto, Flamengo mobiliza menos torcedores contra o Altos

Em Teresina, torcida flamenguista madrugou para comprar ingressos, no Rio, time jogou com protestos.

No Alto Forno da Companhia Siderúrgica Nacional, como é conhecido o estádio Raulino de Oliveira, casa do Volta Redonda, Flamengo e Altos fizeram o jogo de volta da Copa do Brasil, na terça-feira (11). A vitória rubro-negra e consequente classificação às oitavas de final da competição, não foram com um clima tão receptivo pela torcida quanto a partida em Teresina.

Há 10 anos sem visitar o Piauí, a vinda do Flamengo moveu 25 mil pagantes até o Albertão, que teve um público de 30 mil pessoas, segundo divulgado pela Fundespi. O caldeirão visto em Teresina não se repetiu no Rio de Janeiro, casa do Fla, e, ontem, no Raulino de Oliveira, apenas 13 mil pessoas estiveram presentes, destes, 12 mil eram pagantes.

Foto: Daniel Silva/BanlekAltos perdeu de 2 a 0
Altos perdeu de 2 a 0

Guardadas as devidas proporções, já que o Raulino é um estádio com capacidade para 18 mil aficionados – o recorde da praça foi, inclusive, em um jogo entre Volta Redonda e Flamengo, em 1977, com 25 mil pessoas e vitória rubro-negra – a presença da torcida ontem foi marcada por protestos contra a diretoria flamenguista. Das arquibancadas, gritos contra o presidente Roberto Landim e o vice-presidente de futebol e vereador Marcos Braz foram ouvidos. As rusgas entre torcida e direção cresceram após reuniões do conselho do Flamengo, que barrou medidas que tinham boa entrada nas arquibancadas.

O Flamengo passou de fase após vencer o Altos, por 4 a 1 no placar agregado. O confronto marcou a primeira vez que a Manga chegou à 3ª fase da Copa do Brasil. Agora, o Jacaré retorna para Teresina e se prepara para o confronto com o Atlético-CE, no sábado (14), às 15h, no Lindolfo Monteiro.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.