GP1

Piauí

Piauí quer apoio do Ceará e Maranhão para combater facções, diz Rubens Pereira

Segundo o secretário, a SSP-PI está em busca de ações para reforçar o combate à criminalidade.

O secretário de Segurança Pública do Piauí, coronel Rubens Pereira, afirmou nessa terça-feira (16), que o Piauí está buscando trabalhar no combate a facções criminosas de forma integrada com os estados do Ceará e Maranhão.

Segundo o secretário, que também coordena a Câmara de Segurança Pública do Consórcio Nordeste, a Secretaria de Segurança Pública do Piauí está mantendo diálogos com os estados vizinhos, em busca de ações investigativas para reforçar o combate à criminalidade. No Piauí, somente nos 09 primeiros meses do ano de 2021 foram registrados mais de 542 assassinatos, o que representa uma relação de dois assassinatos a cada 24 horas no Estado.

Foto: Alef Leão/GP1Rubens Pereira
Rubens Pereira

“Já estamos atuando de forma integrada, fizemos reuniões com o estado do Maranhão, com o secretário de segurança do Maranhão, com o secretário de segurança do Ceará, porque não teremos resultado se apertarmos no Piauí com investigação e política se os outros estados não fizerem também. É o caso de Chaval, no Ceará, e em Tutóia, no Maranhão. Estamos nos reunindo sobre isso, para estabelecer operações, ações de polícia para evitar a impunidade e reduzir os indicadores”, destacou o secretário de Segurança Pública do Piauí, coronel Rubens Pereira.

Migração de facções para o Piauí

Conforme Rubens Pereira, a Secretaria de Segurança vai atuar no combate a facções focando na integração das Forças de Segurança, que já atuam juntas no litoral com operações, que podem ser direcionadas em Teresina.

“Já foi diagnosticado pela secretaria e pelo anuário brasileiro de segurança pública de que há uma migração de organizações criminosas do sudeste para o Norte e Nordeste do Brasil. Apesar de todas as políticas e ações de prevenções que o Piauí fez, por isso que represou muito, mas há um momento que há necessidade de enfrentar isso, sobretudo com integração. Estamos realizando parcerias com a Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, os órgãos federais a nível estadual e federal, criamos uma força tarefa para atuação no litoral e a próxima será em Teresina”, finalizou.

Homicídios em crescimento

Recentemente, principalmente na Capital do estado, vem ocorrendo um aumento em relação às mortes violentas. Os casos mais recentes que chamam a atenção e causa um medo maior na população, foram do Marcelo Mendes da Silva, 35 anos, que foi assassinado ontem, após ser assaltado na zona norte de Teresina e dos jovens Luian Oliveira e Anael Natan, que estavam desaparecidos e seus corpos foram encontrados em estado de decomposição, na zona rural leste da cidade.

Já noite de segunda (15) um jovem identificado como Thalyson Pedreira de Sousa, de 21 anos, foi executado com vários disparos de arma de fogo no residencial Parque Brasil IV. Ele estava jogando bola com amigos em um campo de futebol quando foi morto.

Na manhã da terça-feira (16), outro jovem, identificado como Pedro Josef, foi perseguido e executado a tiros dentro de um carro na Avenida Duque de Caxias, também na zona norte.

O último caso, aconteceu na tarde de hoje, quando um homem identificado como Emerson Vieira, 21 anos, foi assassinado a tiros, por volta de 15h, na Avenida Maranhão, no bairro São Pedro, na zona sul de Teresina. O rapaz estava trabalhando como lavador de carros quando foi morto.

Casos como esses se tornaram comuns de serem noticiados e cada vez põe à tona como as facções criminosas estão conseguindo ter domínio de determinadas áreas de Teresina, principalmente, nas partes onde a população pobre está mais vulnerável.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.