GP1

Coronavírus no Piauí

Wellington Dias pode recorrer ao STF para importar a vacina Sputnik

O imunizante ainda não foi aprovado pela Anvisa e o órgãos pede relatórios de países que usam a Sputnik.

O governador do Piauí, presidente do consórcio Nordeste e coordenador da temática de vacinação contra a covid-19, Wellington Dias (PT) afirmou nesta sexta-feira (09) à CNN Brasil que pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para conseguir a importação da vacina russa Sputnik V.

O imunizante ainda não foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas os governadores dos estados nordestinos estão na corrida para conseguir a aprovação do órgão regulador. Como forma de acelerar o processo, os gestores estão buscando relatórios de países que usam a vacina russa, como por exemplo, a Argentina.

Foto: Alef Leão/GP1Wellington Dias
Wellington Dias

Segundo o governador, existem leis, que já foram sancionadas, que fazem a Anvisa autorizar em sete dias, as vacinas que já foram aprovadas em outros órgãos reguladores, como o Ministério da Saúde da Rússia.

Falta de vacinas

Wellington Dias enviou nesta quinta-feira (08) ofício ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, no qual pede que não falte vacina das da Coronavac para aplicação da 2ª dose. O chefe do executivo estadual piauiense teme a falta de imunizantes contra a Covid-19 no Brasil.

Clique aqui e confira o ofício

De acordo com o documento, é sugerida a apresentação de orientação para não faltar vacinas para a segunda dose da Coronavac conforme cronograma de entrega, “pois esses esforços são necessários para alinharmos a aplicação das vacinas que recebemos periodicamente”.

Wellington defendeu ainda o esforço conjunto “por mais vacinas para a primeira dose, mas é importante complementar a imunização com aplicação da segunda dose”.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.